Entidade americana acusa PT e Planalto de autoritarismo

OPC critica resolução petista e vê ''''censura preventiva'''' na relação com a mídia

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2014 | 00h00

Depois dos Repórteres Sem Fronteiras (RSF), mais uma organização internacional de defesa da liberdade de imprensa reagiu ontem ao tratamento dado à mídia brasileira pelo PT e pelo governo Inácio Lula da Silva. O Overseas Press Club of America (OPC), criado em Nova York em 1939, enviou carta a Lula na qual condena o que chama de ''''crescente autoritarismo'''' de seu segundo mandato. Ao listar atos de ''''violência'''' cometidos contra membros da imprensa brasileira, a organização aponta a existência no País do que vem sendo conhecido como ''''censura preventiva''''.Assim como no documento divulgado em 2 de agosto pelo RSF, a carta é mais uma resposta à resolução aprovada no fim do mês passado pela Executiva Nacional do PT, convocando filiados a reagirem ao que classificou como uma ofensiva articulada pela mídia e pela oposição para prejudicar o partido e o governo. ''''Essa resolução, grosseira como é, tem ominosas implicações na essencial liberdade da imprensa e deveria ser reconsiderada e abandonada. Ela é vista como um reflexo do crescente autoritarismo de seu segundo mandato e ameaça seu bom nome - assim como a democracia do Brasil'''', diz o texto, endereçado a Lula e assinado pelos membros do Comitê de Liberdade de Imprensa Jacqueline Albert-Simon e Larry Martz.''''CENSURA''''Na carta, o OPC afirma que a mídia brasileira tem criticado o governo, mas o mesmo tratamento é dado à oposição. ''''É assim que deve ser'''', prossegue a entidade, que também se diz atordoada pela ''''crescente e profunda indiferença'''' manifestada pelo governo com relação à leitura da Constituição de 1988, que protege os direitos civis e a liberdade de expressão.Ao dar exemplos de ''''censura preventiva'''', o OPC cita episódios como a morte do jornalista Ajuricaba Monassa, espancado por um vereador em Guapimirim (RJ). A entidade faz referência a outras agressões e a decisões judiciais que considera prejudiciais à atuação da imprensa. ''''Instituições globais e empresas, assim como governos e cidadãos comuns, são cautelosos em relação aos que limitam a liberdade'''', completa o OPC, pedindo a Lula que ''''fortaleça suas declarações de comprometimento com a imprensa livre''''.Procurada para comentar o documento, a Presidência da República limitou-se a informar que ainda não recebeu a carta do OPC. Cópia do texto foi postada no site da organização na internet com data de ontem (www.opcofamerica.org/press_freedom/letters/130807_brazil.php). O presidente do PT, Ricardo Berzoini, não retornou recados e pedidos de entrevista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.