Joédson Alves/EFE
Joédson Alves/EFE

AO VIVO

Eleições: 2020: notícias, resultados e apuração do 2° turno

Entenda o que é notícia-crime e como ela pode levar ao afastamento do presidente

Supremo Tribunal Federal e Procuradoria-Geral da República analisam notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 18h38

O presidente Jair Bolsonaro cometeu crimes contra a saúde pública. É o que acusa ao menos uma notícia-crime protocolada no Supremo Tribunal Federal (STF). Na segunda-feira, o ministro da Corte Marco Aurélio Mello pediu à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma manifestação sobre a notícia-crime apresentada pelo deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG).

Na avaliação do parlamentar, Bolsonaro infringiu o artigo 268 do Código Penal, que prevê multa e prisão a quem desrespeita determinação do poder público para evitar a propagação de doença contagiosa. É uma referência à manifestação do dia 15 de março, quando o presidente ignorou as recomendações do Ministério da Saúde e cumprimentou centenas de apoiadores no Palácio do Planalto. 

Entenda o que é e quais são as possíveis consequências da notícia-crime:

O que é a notícia-crime?

Notícia-crime é um aviso, que pode ser dado por qualquer cidadão, informando as autoridades de que existe um crime sendo praticado. “Vou e anuncio que existe uma conduta criminosa e peço às autoridades que tomem as providências. A autoridade que recebe essa notícia-crime determina a investigação dos fatos narrados e, possivelmente, faz uma acusação criminal”, explica o diretor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), Floriano de Azevedo Marques.

Qual é a acusação da notícia-crime?

A notícia-crime apresentada pelo deputado Reginaldo Lopes acusa o presidente de infringir o artigo 268 do Código Penal quando, no dia 15, ignorou as recomendações do Ministério da Saúde e se dirigiu a uma aglomeração de apoiadores no Palácio do Planalto. O parlamentar afirmou ainda que vai aditar a ação para incluir o episódio em que Bolsonaro visitou comércios e cumprimentou apoiadores no Distrito Federal. 

Na segunda-feira, 30, sete partidos de oposição (PT, PDT, PSB, PCdoB, PSOL, Rede e PCB) também decidiram ingressar com uma notícia-crime no STF contra o presidente. Além do artigo 268, a ideia é enquadrar Bolsonaro também nos artigos 286 (incitação pública à prática de crime) e o 131 (prática de ato que possa contaminar outras pessoas).

Qual é o passo a passo da notícia-crime contra Jair Bolsonaro?

No caso da notícia-crime contra o presidente Bolsonaro, Azevedo Marques lembra que a investigação não é uma competência do Supremo. A acusação cabe ao Ministério Público, representada, no caso, pela PRG, por se tratar do Presidente da República.

A partir daí, Azevedo Marques aponta três caminhos possíveis para a PGR:

  1. Pode entender que não há crime e determinar o arquivamento
  2. Pode entender que existem elementos que indicam a prática de crime, mas deve haver uma investigação policial para, posterior e eventualmente, oferecer uma denúncia ao STF
  3. Pode entender que existem elementos suficientes para caracterizar como um crime e oferecer uma denúncia ao STF

Qual é a diferença entre impeachment e notícia-crime?

Existe uma diferença de rito e de natureza do julgamento, aponta Azevedo Marques. O impeachment tem origem em um crime de responsabilidade e é um julgamento jurídico e político. “A análise é feita pelo Congresso que, embora tenha poderes de julgamento nesse caso, é um órgão político. No caso da notícia de um crime qualquer, a análise feita pela autoridade é mais jurídica, ainda que com consequências políticas”, explica. 

A notícia-crime pode levar ao afastamento do presidente Jair Bolsonaro?

“Possibilidade existe, mas nesse estágio está muito longe. No momento, notícia-crime é mais um fato político do que algo, do ponto de vista jurídico, com consequências concretas e efetivas”, aponta Azevedo Marques.

Segundo o diretor, não há como prever o tempo que a notícia-crime poderia levar até o eventual afastamento do Presidente da República, mas ele faz uma comparação com os ex-presidentes impedidos Fernando Collor de Mello e Dilma Rousseff. “Os dois casos de impeachment também geraram processos criminais. E os julgamentos criminais foram ocorrer bem depois do julgamento do impeachment”, recorda.

No caso de Collor, o STF concluiu o julgamento e absolveu o hoje senador pelo Pros em 2014, 22 anos depois de sua saída motivada pelo processo de impeachment

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.