Entenda: Gravações revelam fraude no Ministério da Cidades em parecer de obra da Copa

Conversas entre funcionários da pasta revelam alterações em projeto de transporte urbano em Cuiabá que contrariam avaliações técnicas sobre a viabilidade da proposta

25 de novembro de 2011 | 13h01

O Estado teve acesso a cinco gravações em que funcionários do Ministério das Cidades relatam a alteração no parecer técnico do projeto de uma obra da Copa do Mundo de 2014 de Cuiabá, uma das cidades-sede do evento. Com aval do ministro Mário Negromonte, a pasta alterou o documento que vetava a mudança do projeto do governo de Mato Grosso de trocar a implantação de uma linha rápida de ônibus (BRT) pela construção de um Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT).

No vídeo abaixo, a diretora de Mobilidade Urbana, Luiza Gomide Vianna, relata, em reunião com assessores ocorrida na última segunda-feira, que a diretoria alterou o documento, mas manteve o número de identificação. A mudança, disse ela, foi feita a pedido de Cássio Peixoto, braço direito de Negromonte, e Guilherme Ramalho, coordenador-geral de Infraestrutura da Copa de 2014 do Ministério do Planejamento. "Nós fizemos outra nota técnica, com o mesmo número sim, e mudamos o conteúdo", afirmou Luiza Vianna na reunião.

O analista técnico Higor Guerra que assinou o primeiro parecer, contrário à implantação do VLT, negou-se a rever seu posicionamento inicial, reação relatada pela diretora Luiza Vianna no áudio abaixo. "Ele não quis mudar nenhuma vírgula. A gente ficou numa situação sem saída", disse a assessores. "Nota técnica de ninguém aqui é como música, não tem direito autoral. Nosso trabalho é para o governo, nota técnica de vocês é para o governo."

Com a fraude, o Ministério das Cidades passou a respaldar a obra e seu custo subiu para R$ 1,2 bilhão, R$ 700 milhões a mais do que o projeto original. O Ministério Público de Cuiabá e o Ministério Público Federal anunciaram que vão investigar o caso e, caso se constate a alteração fraudulenta, a obra será embargada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.