Enrolado na bandeira do Brasil, Lessa diz que elite engana Lula

Enrolado na bandeira brasileira, o presidente do BNDES Carlos Lessa acusou hoje a elite de fazer "uma manobra astuciosa para enganar o presidente Lula". Durante ato em homenagem a ele em frente ao prédio do BNDES, no Rio, ele atribuiu sua destituição do cargo à "uma manobra forte de desvio de uma iniciativa popular (eleição de Lula para presidente)". Ele atacou a política econômica afirmando que ela "não gera emprego".Lessa fez um discurso em defesa do presidende ao dizer que Lula "é a demonstração inequívoca da capacidade do povo brasileiro". "Estamos assistindo é mais uma manobra astuciosa da elite para frustrar os sonhos populares". Sobre o seu sucessor, o ministro do Planejamento, Guido Mantega, Lessa disse que ele "não é o anti-Lessa".A entrada dele no prédio foi marcada por muito tumulto e gritos de "governador, governador". Lessa desistiu de dar entrevista coletiva por estar se sentindo cansado. Ele está andando de muletas por causa de uma queda em 10 de outubro, o que provocou uma operação no joelho. A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) discursou citando o economista Paulo Nogueira Batista: "quem tinha que ser demitido é o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles". Ela lembrou que há no Congresso uma medida provisória dando status de ministro a Meirelles e que foi enviada pelo governo em meio a denúncias contra o presidente do BC.O deputado federal Chico Alencar (PT-RJ) disse que "a troca do carioca da gema Carlos Lessa pelo genovês paulista Guido Mantega pode se comparar a preferir a Gaviões da Fiel à Portela". Foi uma referência à uma viagem oficial do presidente Lula ao exterior, na qual a escola de samba escolhida para representar o Brasil foi a Gaviões da Fiel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.