MARCOS OLIVEIRA/Agência Senado
MARCOS OLIVEIRA/Agência Senado
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Enfim, uma prisão, mas logo de um peixe miúdo

Roberto Dias, ligado ao líder do governo na Câmara, foi punido duplamente: via CPI, que mandou prendê-lo, e pelo Executivo, que determinou sua demissão

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2021 | 19h06

Estava escrito nas estrelas que, mais dia, menos dia, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), iria mandar prender um depoente mentiroso. O que não se sabia, nem se esperava, era que ele fosse passar a mão na cabeça dos peixes graúdos e dar voz de prisão para um miúdo, Roberto Ferreira Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde.

Motivos não faltaram, já que Dias insistiu horas a fio num conto da carochinha, dizendo que o jantar num shopping de Brasília com um militar, um empresário e um atravessador que oferecia 400 milhões de doses de vacinas, teria sido por "pura coincidência". Nesse jantar, ele, Dias, teria falado em propina de US$ 1 por cada dose. Só um ou outro senador governista acreditou, ou fingiu acreditar, na versão da "coincidência". Mas que ele é peixe miúdo, diante de tantos outros, lá isso é.

Deixando de lado o ex-secretário de Comunicação Fábio Wajngarten, o ex-ministro e general da ativa Eduardo Pazuello e o ex-secretário executivo do ministério, coronel da reserva Élcio Franco -- que, na opinião da cúpula da CPI, mentiram descaradamente -- foram poupados por Aziz e ainda ganharam cargos lustrosos no Palácio do Planalto, a metros do gabinete presidencial. Pazuello até sonha em enveredar por uma carreira política.

Já o civil Roberto Dias, ligado ao líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (Progressistas-PR), foi punido duplamente, pelo Legislativo, via CPI, que mandou prendê-lo, e pelo Executivo, que determinou sua demissão do cargo na Saúde. A prisão e a demissão, porém, deixam sérias dúvidas: Dias é o corrupto-mor do ministério? Agia sozinho ou participava de um esquemão? Foi perseguido ou não por uma disputa interna entre o grupo militar e o grupo político da Saúde?

Ninguém é santo e ninguém está contando toda a verdade nessa história toda de desprezo das boas vacinas (Pfizer, Coronavac e as do Consórcio internacional Covax Facility) e principalmente de interesse voraz por ofertas, empresas, atravessadores e vacinas para lá de suspeitas. E a CPI conta com a possibilidade de, em algum momento, sob intensa pressão, um deles finalmente abra a boca. A expectativa é de que esse um seja Roberto Dias.

Como detalhe mais do que só curioso: os senadores governistas, como o líder Fernando Bezerra (MDB-PE) e o senador Marco Rogério (DEM-RO), não deixaram claro se estavam se esforçando para defender o governo ou Roberto Dias, o funcionário que quase foi demitido em outubro de 2020 e acabou defenestrado pelo próprio governo. E sob suspeita de corrupção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.