Endividado, PT gastará mais de R$ 2 milhões em Congresso

Partido desembolsará cerca de R$ 1 milhão em transporte e hospedagem

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2026 | 00h00

Apesar de acumular uma dívida de pouco menos de R$ 50 milhões, o PT pretende gastar mais de R$ 2 milhões para realizar nos dias 31 de agosto, 1 e 2 de setembro seu 3° Congresso. O evento, que representa a instância máxima do partido e tem poder inclusive para alterar o estatuto da sigla, absorverá recursos da ordem de R$ 700 mil somente com o deslocamento dos cerca de 1.100 delegados que participarão do encontro e dos 100 funcionários envolvidos na organização. Com hospedagem desse pessoal em São Paulo, onde ocorrerá o Congresso, serão outros R$ 350 mil.Segundo o tesoureiro do PT, Paulo Ferreira, a legenda também gastará pelo menos R$ 800 mil só para equipar e decorar o Centro de Exposições Imigrantes, que sediará o encontro. Nesse caso, os custos incluem, por exemplo, a montagem de palco e equipamentos de som ou ainda todo o mobiliário do evento.Somente com o aluguel do local, o partido desembolsará R$ 106 mil, enquanto R$ 200 mil serão destinados a serviços de logística, como traslados e suporte em aeroportos. Para completar, o PT aplicará cerca de R$ 130 mil em serviços de papelaria e impressos em geral. Somadas essas despesas, o PT gastará R$ 2,28 milhões.Ferreira esclareceu que os números são preliminares e ainda podem sofrer alterações até a realização do Congresso, já que o processo de organização está em andamento. Ainda assim, ele admite que o montante é alto diante da dívida petista.Ele argumenta que as despesas permitirão criar o ambiente para o debate pretendido pela direção partidária. "É evidente que é um valor caro. Mas o partido decidiu fazer esse debate", diz Ferreira. "Há a necessidade de o partido fazer um grande debate, que oriente a ação política para os próximos períodos." O tesoureiro explicou ainda que o Diretório Nacional do PT não pagará a conta sozinho. Ficou acertado que 50% das despesas serão pagas por essa instância, enquanto o restante ficará por conta dos 27 diretórios estaduais da legenda.[ ]PREPARATIVOSA estimativa de gastos apresentada por Ferreira inclui apenas a organização do Congresso Nacional e não leva em consideração as etapas municipais do encontro, realizadas nas últimas semanas, e as rodadas estaduais, que estão em andamento. A etapa estadual em São Paulo, por exemplo, deverá custar entre R$ 120 mil e R$ 130 mil, de acordo com o presidente do PT paulista, Paulo Frateschi. O evento está marcado para os dias 3, 4 e 5 de agosto. A estratégia do Diretório Estadual, segundo ele, é quitar todos os débitos de imediato, até para facilitar a tarefa de contribuir com o pagamento das despesas da etapa nacional. "Estamos fazendo o possível para não deixar nenhuma dívida, nada para pagar depois."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.