Empresas de telefonia discutem em São Paulo violação de sigilo

Objetivo é prevenir e coibir a violação do sigilo das comunicações telefônicas dos consumidores

Agência Brasil

14 de janeiro de 2009 | 14h12

Os presidentes das seis principais empresas de telefonia que atuam em São Paulo - Claro, Embratel, Oi, Telefônica, Tim e Vivo - reuniram-se nesta quarta-feira, 14,  com o secretário da Justiça e da Defesa da Cidadania, Luiz Antonio Marrey, e o diretor executivo da Fundação Procon-SP, Roberto Pfeiffer.  O objetivo é prevenir e coibir a violação do sigilo das comunicações telefônicas dos consumidores. O corregedor nacional de Justiça, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Gilson Dipp, também participou da reunião. A decisão foi tomada depois de apuração policial que constatou infrações de violação de sigilo telefônico de consumidores, inclusive com a participação de funcionários das empresas. A violação do sigilo afronta direitos fundamentais assegurados no Artigo 5º da Constituição Federal e no Artigo 6º do Código de Defesa do Consumidor.

Tudo o que sabemos sobre:
Sigilio telefônico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.