Empresário relata tentativa desesperada de salvar menina em Nova Friburgo

Menina de 7 anos morreu quando ele tentava tirá-la de casa parcialmente destruída.

Fernanda Nidecker, BBC

14 de janeiro de 2011 | 12h15

Deslizamentos em Nova Friburgo provocaram mais de 200 mortes

O empresário friburguense Ricardo Lengruber, de 35 anos, não consegue esquecer o que viveu na madrugada de quarta-feira, quando foi acordado por gritos de vizinhos pedindo socorro.

"Eles chegaram desesperados à minha casa por volta de 1h, dizendo que uma casa próxima tinha sido parcialmente destruída e que tinha uma menina presa lá dentro", conta ele.

Acompanhado do irmão Raphael, seu vizinho, Ricardo chegou ao local e encontrou um casal segurando uma criança de 2 anos.

"Eles conseguiram sair, mas a neta Sabrina, de 7 anos, que tinha ido passar a noite, ficou dentro de um cômodo que estava caindo e onde era impossível entrar", explica.

"Eu consegui conversar com a Sabrina. Chamava por seu nome e ela respondia", lembra.

Ricardo chegou a ligar para o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil, mas não conseguiu ajuda.

"O acesso à minha rua, que fica no centro de Friburgo, ficou fechado. Os bombeiros disseram que não tinham como entrar, que não paravam de receber chamadas e que eu teria que tentar resgatar a menina sozinho", relata.

Foi quando começou a chover mais forte, e o quarto onde Sabrina estava foi invadido pela água. No escuro e sem ferramentas apropriadas, Ricardo e o irmão usaram martelos para furar a parede na tentativa de que a água escapasse.

"Foi uma situação muito tensa, porque não estávamos enxergando nada e ainda corríamos o risco de que o resto da casa desabasse", relembra.

Ricardo conta que continuou chamando por Sabrina até que ela parou de responder. Uma hora e meia após começar a remover os entulhos, ele e os vizinhos acharam o corpo da menina, coberto de lama.

"Ainda tínhamos esperança de que ela estivesse viva e levamos o corpo para a casa do meu irmão. Uma enfermeira que mora perto tentou reanimá-la com massagem cardíaca, mas era tarde demais", diz.

Liberação do corpo

Ricardo tentou sem sucesso acionar equipes de resgate para que viessem buscar o corpo de Sabrina, colocado sobre uma mesa. Enquanto isso, era imprescindível passar a noção de tranquilidade para seu sobrinho Pedro, de 6 anos, que foi retirado de casa sem perceber nada.

"Passamos o dia tentando liberar o corpo, mas a cada vez que achava um bombeiro ele dizia que estava dando prioridade para quem ainda estava vivo", diz.

O corpo da menina ficou por 12 horas na casa do empresário.

"Depois de muita insistência, consegui que um médico que estava trabalhando na entrada da minha rua fosse retirar o corpo, e aí aconteceu um outro momento dramático", relata.

Ricardo conta que o pai de Sabrina chegou exatamente na hora em que os bombeiros removiam seu corpo.

"Ele gritava que não acreditava e quis desembalar o corpo para ter a certeza de que a filha tinha morrido. Foi horrível", diz.

Segundo ele, o episódio "foi uma experiência traumatizante". "É desesperador ver uma criança morrer e não poder fazer nada", diz.

Medo

Com medo de que novas barreiras caiam e atinjam sua casa, Ricardo está com a família na casa do tio desde quinta-feira.

Ele diz que a maior parte dos supermercados ainda está fechada, que falta água nas casas e que a eletricidade só voltou na noite de quinta-feira.

Pelo menos 214 mortes já haviam sido confirmadas em Nova Friburgo pela prefeitura até a manhã desta sexta-feira. Em toda a região serrana, morreram mais de 500 pessoas.

O estádio Celso Peçanha, em Nova Friburgo, não comporta mais corpos e, desde a noite da quinta-feira, as vítimas da tragédia estão sendo levadas para quadras de escolas de samba.

Nova Friburgo amanheceu com chuva nesta sexta-feira, e a previsão é que continue a chover no fim de semana.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.