EPITÁCIO PESSOA/ESTADÃO
EPITÁCIO PESSOA/ESTADÃO

Empresário Luiz Fernando Levy, ex-dono da Gazeta Mercantil, morre em SC

O jornalista tinha 77 anos e sofria de insuficiência renal; ele comandou o jornal por mais de 20 anos

O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2017 | 13h12

O jornalista e empresário Luiz Fernando Levy, herdeiro de Herbert Levy, fundador da Gazeta Mercantil, morreu na madrugada desta terça-feira, 3, aos 77 anos, em Florianópolis. Ele sofria de insuficiência renal crônica. O corpo do jornalista foi velado no Crematório Vaticano, na capital catarinense, na tarde desta terça-feira.

Filho do político e fazendeiro Herbert Levy, um dos fundadores da União Democrática Nacional (UDN), Luiz Fernando dedicou a vida ao jornal Gazeta Mercantil, que nasceu em 1920 como um boletim diário do mercado e se transformou no mais tradicional jornal de economia do País. O jornalista comandou o veículo por mais de 20 anos. 

Quando o pai foi nomeado secretário da Agricultura pelo então governador Roberto de Abreu Sodré, nos anos 1970, Luiz Fernando, o “Lisfer”, como era conhecido, foi seu chefe de gabinete na secretaria, mas ficou pouco no cargo.

Seu sonho era fazer um jornal importante na área econômica. Trabalhou com a família numa fazenda que chegou a ter 6 milhões de pés de café no município de Sacramento, em Minas Gerais, ao mesmo tempo em que recrutava profissionais para a Gazeta. O primeiro que contratou foi Hideo Onaga e, mais tarde, Roberto Müller Filho e Matias Molina. Começava, então, em 1974, a melhor fase do jornal, que circulava com 120 mil exemplares e tinha sucursais e edições locais em várias capitais, do Rio Grande do Sul ao Recife. Tinha também uma edição em espanhol impressa em Córdoba, na Argentina.

Jornal e fazenda. Quando Herbert Levy vendeu o Banco da América para o Banco Itaú, a família passou a ter 9,7% das ações do Banco Itaú América. O patriarca ocupou a presidência do Conselho de Administração e Luiz Carlos Levy, um de seus cinco filhos, ficou com uma diretoria. Dois outros irmãos de Lisfer optaram pelo mercado de ações na Bolsa de Valores, enquanto ele continuava cuidando do jornal e da fazenda de café. Seu ideal, costumava dizer, era fazer o Brasil se desenvolver como um grande país.

A decadência dos negócios da família Levy se acelerou por causa do endividamento de suas empresas. Como não investiu na integralização de capital do Itaú, a participação no banco caiu para zero. Não havia dinheiro para enfrentar as dívidas e, com a crise, os Levy perderam a fazenda de Minas.

Em 2000, a Gazeta amargou um prejuízo de R$ 30 milhões, embora tenha tido uma receita de R$ 256 milhões. Mesmo com as dificuldades, que levaram ao fechamento do jornal, Luiz Fernando, lembram amigos e colaboradores, nunca deixou de ser um chefe “afável e amigável”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.