Empresário falta a depoimento na CPI da Corrupção no DF

Gilberto Lucena é dono da Linknet, empresa apontada no inquérito da Caixa de Pandora como uma das que abastecia o 'mensalão do DEM'

Carol Pires, da Agência Estado

24 de março de 2010 | 11h43

O empresário Gilberto Lucena, dono da Linknet, não compareceu à reunião da CPI da Corrupção da Câmara Legislativa, marcada para a manhã desta quarta-feira, 24, para ouvir o seu depoimento. A Linknet é apontada no inquérito da Operação Caixa de Pandora como uma das empresas que abastecia o "mensalão do DEM", esquema de corrupção que seria chefiado pelo ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifCâmara do DF convoca suplente que está preso

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifGurgel defende manutenção de prisão de Arruda

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifPGR emite novo parecer contrário a pedidos de Arruda

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifMP pede celeridade no inquérito do mensalão do DEM

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/blog_azul.gifBosco: falta isenção para evitar a intervenção no DF

 

Os deputados remarcaram o depoimento do empresário para o dia 5 de abril e aprovaram sugestão da presidente da CPI, deputada Eliana Pedrosa (DEM), para que o juizado criminal de Goiânia, onde Lucena mora, determine que um oficial de Justiça o obrigue a comparecer da comissão, caso ele não tenha justificativa para faltar. O oficial de Justiça pode solicitar auxílio de força policial, se preciso.

 

Gilberto Lucena aparece em um dos vídeos da Operação Caixa de Pandora pagando propina a Durval Barbosa, que era secretário de Relações Institucionais e um dos operadores do esquema, e depois veio a ser o principal delator dos envolvidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.