Empresário diz que soube do caso Cuba pela imprensa

O empresário Roberto Carlos Kurzweil disse, em depoimento à CPI dos Bingos, que só soube pela imprensa que um veículo blindado de sua propriedade teria sido utilizado no transporte de caixas recebidas no aeroporto de Campinas. Ele disse desconhecer qualquer notícia sobre a suposta doação de US$ 3 milhões, que teria sido feita pelo governo cubano à campanha de Lula em 2002. Kurzweil disse que a sua locadora alugava três veículos blindados ao PT, cada um pelo valor de R$ 11 mil e segundo ele os veículos seriam utilizados pelo então candidato a presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, pelo então presidente do PT, José Dirceu, e pelo então prefeito de Ribeirão Preto, Antonio Palocci. Kurzweil entregou à CPI documentos sobre recibos e extratos que segundo ele comprovariam o pagamento feito pelo partido pelo uso desses carros.Perguntado sobre o motivo de o PT alugar um carro blindado, Kurzweil foi sintético: "Não sei. Acredito que como estava em campanha para ocupar um cargo tão importante, o presidente Lula ... Realmente São Paulo é uma cidade muito violenta". Segundo Kurzweil, depois do assassinado do prefeito de Campinas, Antonio da Costa Santos, o Toninho do PT, em 2001, alguns prefeitos começaram a usar carros blindados.Kurzweil disse aos senadores que esteve uma única vez na casa do Lago Sul, alugada por integrantes da chamada "República de Ribeirão Preto", como Vladimir Poletto e Rogério Buratti. Ele não soube explicar porque o motorista Francisco das Chagas Costa disse, em depoimento à Polícia Federal, que o levou inúmeras vezes a essa residência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.