Empresário contesta denúncia de governador do Paraná

O empresário Darci Fantin desmentiu, em nota distribuída na quarta-feira, 14, ter dito ao governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), que tenha feito um depósito de R$ 10 milhões em favor da jornalista Cila Schulman para pagar a campanha do atual prefeito de Curitiba, Beto Richa (PSDB), ao governo do Estado, em 2002.Na terça-feira, 13, em fala transmitida pela TV Educativa do Estado, Requião disse ter ouvido de Fantin que o depósito fora feito "a pedido de Richa e Euclides Scalco". O PSDB reagiu à afirmação, que parecia dirigida ao ex-governador José Richa, já morto, e ao ex-ministro Euclides Scalco, muito respeitado no meio político.A assessoria de Requião disse na quarta-feira que o Richa a que o governador se referiu é o prefeito de Curitiba, Beto Richa, e não seu pai. A denúncia do depósito de R$ 10 milhões tinha sido feita por Requião em 2003, o que lhe valeu um processo por calúnia patrocinado pela jornalista.Na terça-feira, ao ser notificado por um oficial de Justiça no âmbito do processo, Requião afirmou publicamente que a informação viera de Fantin. Disse também que a empresa de Fantin teria recebido um pagamento de R$ 10 milhões no fim do governo Jayme Lerner, seu antecessor, que seria desviado para pagar a campanha. Em sua nota, Fantin disse abrir o sigilo bancário de sua empresa para uma perícia que rastreie o trajeto dos R$ 10 milhões.Uma assessora do governo do Paraná disse que Fantin está negando ter sido o autor da denúncia por medo, embora não soubesse explicar de quem ou por que ele teria medo. A empresa de Fantin, um dos maiores empreiteiros do Paraná, continua trabalhando para o Estado.O ex-ministro Euclides Scalco também distribuiu nota na quarta-feira, chamando Requião de beligerante e truculento. "Eu o perdoaria se houvesse a certificação de possíveis desvios de personalidade", ironizou Scalco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.