Empresário acusado de corrupção em Rosana é preso

Depois de três meses, a Polícia Federal prendeu ontem em São Paulo o empresário Rogério de Souza Phelipe. Ele é acusado de chefiar esquema de corrupção que teria desviado mais de R$ 50 milhões da Prefeitura de Rosana, no Pontal do Paranapanema, e deve ser levado hoje para Presidente Prudente.Dono da Presserv, empresa de serviços de limpeza, Phelipe fugira em dezembro, quando a Polícia Civil desencadeou a Operação Mexilhão Dourado e prendeu 36 pessoas, incluindo 6 dos 9 vereadores de Rosana. Para a polícia, integrantes da Câmara e da prefeitura receberiam propina para ignorar irregularidades em licitações e contratos."A história do município é de desvio de dinheiro público", diz o delegado Éverson Aparecido Contelli, que apura o caso. "Existia kit vereador com carro zero e mensalidade de até R$ 3 mil."PRAIA GRANDEEm Praia Grande, o Ministério Público pediu à Justiça a cassação de 12 dos 13 vereadores na segunda-feira, por distribuição irregular de cargos entre seus gabinetes. A ação, por improbidade administrativa, aponta prejuízos de R$ 253 mil."Em 2004, a Câmara reduziu o número de vereadores para 13 e sobraram 12 assessores que foram distribuídos entre eles", diz a autora da denúncia, vereadora Rosana Albuquerque Esteves (PP). O vereador Cássio Navarro (PSDB) diz que o número de assessores não está condicionado ao de vereadores e cabe ao presidente da Câmara distribuí-los. COLABOROU REJANE LIMA

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.