Empresa é multada em R$ 1 milhão no RS

Uma concessionária de transporte ferroviário no Rio Grande do Sul, a América Latina Logística (ALL), foi multada ontem em R$ 1.050.000 por causa do vazamento de 120 mil litros de gasolina, que atingiram córregos, açudes e pastagens do município de Vale Verde, a 140 quilômetros de Porto Alegre. O acidente ambiental foi decorrência do descarrilamento de oito vagões de um trem da empresa, na madrugada de sábado. Três vagões tombados carregavam arroz e cinco transportavam o combustível. Dois deles derramaram 120 mil litros de gasolina sobre um brejo da região. A área contaminada chega a 35 hectares.O valor da multa é o maior da história do Estado. E foi tão grande Por a empresa ser reincidente. Este é o quinto acidente ambiental envolvendo a ALL em pouco mais de três anos de operação no Rio Grande do Sul. Em maio de 1998, foi responsável pelo derramamento de gás GLP e óleo diesel em Restinga Seca, na região central. Em junho de 1999, foram mais 5.000 litros de gasolina nas proximidades de Rio Grande.Em agosto de 2000, cerca de 7.000 litros de diesel vazaram novamente em uma localidade perto de Restinga Seca. Na mesma região, em abril deste ano, outros 150 litros de gasolina foram derramados."São cinco acidentes em três anos e, além disso, houve demora de quase 24 horas no atendimento", afirmou o secretários estadual do Meio Ambiente, Cláudio Langone, para justificar a penalidade. A empresa tem direito ainda a apresentar uma defesa que será analisada pelos órgãos ambientais do Estado. De acordo com o secretário, "chamou a atenção que o descarrilhamento tenha ocorrido em uma linha reta e sem declive".LicençaPara conferir as condições da linha, foi exigido da ALL a apresentação do relatório de manutenção no período de 2000/2001. A licença ambiental de operação da ALL venceu no final do mês passado.Sua renovação dependerá, segundo Langone, da adoção de algumas medidas de segurança, como a distribuição de equipamentos de emergência, como bóias absorvedoras, em pelo menos quatro pontos da linha.O Ministério dos Transportes também entrou em ação para verificar as causas do acidente. Os técnicos chegaram às 16 horas de hoje ao local atingido e deverão examinar cerca de 180 quilômetros da malha ferroviária em que a ALL opera e elaborar um laudo. Conforme nota oficial, o ministério também poderá multar a empresa e até suspender o tráfego de produtos perigosos no trecho, a exemplo do que ocorreu em Campo Grande (MS), por causa do acidente no segmento administrado pela concessionária Novoeste.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.