Divulgação
Divulgação

Empresa americana diz ter pago propinas a funcionários da FAB e do governo de Roraima

Ao confessar práticas de corrupção em países estrangeiros, a Dallas Airmotive Inc. concordou em ressarcir US$ 14 milhões aos EUA

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S. Paulo

11 de dezembro de 2014 | 23h06


São Paulo - Uma empresa americana de prestação de serviços de manutenção de aeronaves confessou ter subornado funcionários públicos na America Latina, entre eles da Força Aérea Brasileira e do governo de Roraima, para conseguir fechar contratos no Brasil, Peru e Argentina. Ao confessar práticas de corrupção em países estrangeiros, a Dallas Airmotive Inc., sediada no estado do Texas (EUA), concordou em ressarcir US$ 14 milhões aos cofres públicos americanos.

O anúncio foi feito na quarta-feira, 09, pelo procurador-geral adjunto do Departamento de Justiça americano, Leslie R. Caldwell, e o agente do FBI, a polícia federal americana, Diego Rodriguez.

Segundo eles, entre 2008 e 2012 a Dallas Airmotive utilizou diversos métodos ilícitos para efetivar o pagamento de suborno a funcionários da Força Aérea Brasileira, a Força Aérea do Peru, o Gabinete do Governador do Estado de Roraima, e o Gabinete do Governador da Província de San Juan, na Argentina.

Entre os crimes apontados estão a celebração de contratos com empresas de fachada, pagamento a intermediários ou de benefícios diretamente aos beneficiados, como férias remuneradas. O caso está sendo investigado pelo escritório do FBI em Dallas. 

Estado não conseguiu contato na noite desta quarta-feira com a assessoria da FAB e com José de Anchieta Júnior (PSDB), que governou Roraima no período em que teriam ocorrido os crimes, segundo a Dallas Airmotive. Ao site G1, a FAB e o ex-governador disseram que só iriam se pronunciar quanto tiverem conhecimento formal da acusação. 

Tudo o que sabemos sobre:
governo de roraimafab

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.