Empreiteira pagou com dinheiro de propina agência de comunicação, diz delator

De acordo com Carlos Miranda, a Carioca Engenharia usou parte dos recursos ilícitos destinados a Cabral para pagar serviços prestados pela FSB Comunicação ao ex-governador; agência nega irregularidades

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

11 Dezembro 2017 | 18h48

O delator Carlos Miranda, apontado como operador do ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho(PMDB) no esquema de corrupção no executivo fluminense, disse nesta segunda-feira, 11, que a empresa Carioca Engenharia  pagou, com dinheiro de propina, serviços prestados pela FSB Comunicação ao peemedebista. Miranda prestou depoimento ao juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, depois de fechar acordo já  homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

+++ Sérgio Cabral nega delações de operador

Desde a semana passada, revela detalhes do funcionamento do esquema que, a partir de 2007, desviou milhões dos cofres públicos fluminenses, segundo o Ministério Público Federal (MPF). A FSB  presta serviços de assessoria de imprensa a diversos órgãos do governo estadual. Segundo Miranda, a Carioca repassou diretamente à FSB dinheiro para prestação de serviços à campanha eleitoral.

+++ Todos que prestaram delação estão fumando charuto e rindo da nossa cara, diz Lula

O valor repassado para a empresa de assessoria de imprensa, segundo o delator, era em torno de R$ 300 mil a R$ 500 mil - não ficou clara a periodicidade dos pagamentos. Miranda acrescentou que a Carioca também pagou por serviços de gráficas durante campanha do ex-governador. 

+++ Homem da mala de Cabral delata ex-governador

"Estes valores foram abatidos da propina repassada pela Carioca", disse o delator. Miranda era supostamente responsável por administrar a entrada e saída de recursos da contabilidade paralela de Cabral.

+++ A denúncia que pega Picciani, Melo e Albertassi na Cadeia Velha

Em nota, FSB se disse “surpresa” com o teor do depoimento de Carlos Fernando: “Não conhecemos Carlos Miranda, nunca tivemos contato com ele e ficamos absolutamente surpresos com suas declarações pela total falta de fundamento.” “A FSB tem 38 anos de história no mercado e pautamos nossa atuação por um código de conduta e ética baseado em normas rígidas de compliance.”

+++ Empresas de ônibus repassaram R$ 250 milhões em propina a políticos

A Carioca Engenharia informou que não vai se manifestar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.