Emissão de gases por navios mata 60 mil ao ano, diz estudo

A emissão de poluentes provocada pornavios oceânicos é responsável por cerca de 60 mil mortes aoano decorrentes de doenças do coração e câncer de pulmão,afirmou um estudo divulgado na quarta-feira e que pede pormedidas mais rígidas quanto ao controle dos combustíveis. Os portos de Xangai, Cingapura e Hong Kong, três dos maismovimentados do mundo, devem sofrer um grande impacto devido àsemissões vindas dos navios, afirmou o estudo, publicado pelaEnvironmental Science and Technology, uma revista da SociedadeNorte-americana de Química. "Durante um longo período de tempo, houve essa percepção deque as emissões vindas dos navios ficam lá nos oceanos e quenão estão afetando ninguém em terra. Acho que este estudomostra que essa idéia é totalmente falsa", disse DavidMarshall, conselheiro da Força-Tarefa Ar Limpo, de Boston, umdos que encomendaram o estudo. Segundo os cientistas, o fato de a navegação ocorrer emalto-mar --longe das populações que poderiam perceber o impactodessas emissões-- era um dos motivos pelos quais o controlesobre os combustíveis para embarcações não tem os mesmospadrões do controle sobre os voltados a veículos automotores. Mas as emissões de enxofre realizadas pelos naviosoceânicos representam cerca de 8 por cento do total de emissõesde enxofre advinda da queima de combustíveis fósseis, afirmouJames Corbett, um dos autores do estudo. A maior parte das embarcações usa o chamado "bunker fuel"(combustível de navio), que é mais barato do que o óleoprocessado, mas também mais poluente. "O processo de conclusão de um tratado internacional juntoà IMO (Organização Marítima Internacional) é um processo lentopor meio do qual se busca o consenso e não um processo em queas autoridades reguladoras podem fixar padrões que o setorprecisa observar", disse Corbett. O número de mortes prematuras decorrentes das emissõesprovocadas pelos navios pode aumentar 40 por cento nos próximoscinco anos por causa da intensificação do tráfego deembarcações, afirmou. A adoção de petróleo processado poderia diminuir a taxa demortalidade decorrente dessas emissões, mas também poderiasignificar um aumento dos custos no setor. (Reportagem adicional de Lucy Hornby)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.