Emenda da reeleição é assunto do Congresso, diz Rebelo

O ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, garantiu que o Executivo não intervirá na questão da emenda da reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado. "É matéria interna corporis do Congresso Nacional", resumiu Rebelo em entrevista ao Jornal das Dez, da Globo News. Ele salientou que o Palácio do Planalto não deverá atuar para apressar ou para tirar o assunto da pauta porque seria uma interferência "indevida". Conciliador, ele disse que gostaria de ver uma solução acordada que acomode os interesses das lideranças da base do governo.Aldo Rebelo não acredita que o PMDB venha a deixar a base aliada do governo. Ele ressaltou que o PT e o PMDB possuem programas e trajetórias semelhantes que, segundo ele, dão legitimidade à presença dos peemedebistas no governo. "Eu tenho plena confiança de que o PMDB continuará integrado à base do governo do presidente Lula", ponderou o articulador político do governo. "Sem abrir mão dos seus princípios, das suas críticas, ou da sua independência, o que é muito natural."DesconfiançaO ministro procurou minimizar as críticas de alguns aliados que disseram que não confiam mais em promessas do governo. Ele procurou justificar a demora do governo em liberar as emendas individuais dos parlamentares: "Nós não pudemos liberar emendas porque a Justiça Eleitoral proibiu", referindo-se à legislação eleitoral que proíbe a liberação de emendas para os municípios, desde o início da campanha até o último dia do segundo turno. "Agora nós vamos fazer o pagamento e empenhar as emendas de 2004 e cumprir o nosso compromisso com a base."Convocação extraordináriaRebelo disse estar "confiante" na retomada das votações na Câmara dos Deputados e que, portanto, não acredita ser necessária a convocação extraordinária do Congresso. "Eu tenho a mais absoluta confiança no presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), que tem dedicado todo o seu tempo para a retomada das votações na Câmara dos Deputados", frisou o ministro. "E eu tenho a mais absoluta convicção de que ele terá êxito."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.