Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Embrapa estuda cura para doença de Chagas

Uma perereca recém descoberta no Cerrado pelo pesquisador do Ibama Reuber Brandão é a nova esperança contra a doença de Chagas. Uma equipe de pesquisadores da Embrapa estuda a dermaseptina, substância encontrada na pele da perereca Phyllomedusa oreades - ainda sem nome popular -, que age contra o protozoário Trypanosoma cruzi, transmissor do mal de Chagas.Até agora, as experiências se restringiram ao laboratório e a substância matou o protozoário sem atingir o sangue humano. Brandão diz que o trabalho ainda está no início, mas a expectativa é grande. "A pesquisa abre uma boa perspectiva para se chegar a um medicamento contra a doença num futuro próximo", afirma. Na fase inicial, o mal de Chagas tem cura, mas poucas pessoas apresentam sintomas. Se não for diagnosticada na fase aguda, a doença se torna crônica e pode levar à morte, principalmente por insuficiência e arritmia cardíaca. Estimativas indicam que em todo o mundo são 18 milhões de pessoas infectadas pela doença, 4 milhões só no Brasil.Brandão lembra que a devastação do Cerrado ocorre de forma progressiva e rápido e é necessário impedir isso. "O desmatamento do Cerrado está acontecendo de maneira muito rápida e muitos recursos naturais, que poderiam estar sendo utilizados como remédios, estão se perdendo" alerta o pesquisador. Chefiada pelo professor Carlos Block, a pesquisa com a perereca já foi publicada no Journal of Herpetology.Nome científicoO nome Phyllomedusa é o gênero a que pertence a perereca. Já oreades foi escolhido pelo pesquisador Ruber Brandão em homenagem ao Cerrado, que recebeu este nome do pesquisador alemão Carl Friedrich Philipp von Martius. Ele esteve no Brasil no final do século 18 e fez a primeira tentativa de classificação da vegetação nacional. Para o Cerrado, von Martius escolheu o nome oreades, que são as ninfas dos campos e montanhas da mitologia grega.A Phyllomedusa oreades é encontrada em regiões com altitudes superiores a 900 metros como a Chapada dos Veadeiros, na Serra dos Pirineus, nas partes altas da Serra da Mesa e no Distrito Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.