Embate entre Marta e Serra confunde eleitor malufista

O embate travado pelos candidatos que disputam o segundo turno das eleições na Capital, José Serra (PSDB) e Marta Suplicy (PT), centrado nas figuras dos ex-prefeitos Celso Pitta e Paulo Maluf, é uma estratégia equivocada e poderá trazer prejuízos para os dois adversários. A análise foi feita hoje pela consultora do Grupo Estado para análises eleitorais, Fátima Pacheco Jordão, em entrevista exclusiva à Agência Estado. Ela argumentou que a troca de acusações está confundindo o eleitor mais disputado deste segundo turno, o malufista, levando-o a oscilar muito nas próximas pesquisas, provavelmente para o voto nulo."Não se pode esquecer que a maioria dos eleitores de Maluf declarou voto em Serra", constata a analista, avaliando que a campanha tucana caiu na armadilha do PT ao tentar desgastar Marta pelo apoio recebido de Maluf. Em reação à estratégia petista de atacar o vice de Serra, Gilberto Kassab (PFL), pelo fato de ele ter sido secretário de Planejamento do ex-prefeito Celso Pitta, os tucanos retrucam que o "padrinho de Pitta" é Maluf que está apoiando Marta. "Como mais de 60% dos eleitores do Maluf estão com o Serra, é um erro estratégico da campanha tucana reforçar os argumentos da adversária pelo sinal invertido, já que o centro de sua campanha não foi atingido",argumenta Fátima.Na análise que faz da campanha petista, a analista destaca que os ataques de Marta a Kassab representam mais um elemento de desvio de atenção dos problemas centrais da cidade. "Minha percepção é que o eleitor vê isso como uma forma de tirar o foco dos problemas reais e isso não favorece o PT." Além disso, ela acredita que os ataques que o comando de campanha petista vem fazendo ao vice na chapa de Serra não é substantivo. "Na medida em que tenta dizer apenas que ele (Kassab) poderá representar a volta do Pitta, pelo simples fato de ter sido secretário de Planejamento do ex-prefeito durante um tempo. O eleitor sabe das coisas e é maduro para saber que não é bem assim."Para a analista, tanto Serra quanto Marta correm o risco de perder votos de eleitores malufistas, por causa dessa batalha que tenta desqualificar Celso Pitta e, conseqüentemente, o ex-prefeito Paulo Maluf. "Esse embate é um campo minado, difícil e contraditório para o eleitor malufista", ela. Fátima Pacheco Jordão ressalta ainda que o eleitor malufista poderá ser levado a não saber o que fazer neste segundo turno. "Ou recuar entre um candidato e outro, ou partir para o campo dos indecisos." Com este cenário, ela não descarta que possam ocorrer surpresas nas próximas pesquisas de intenção de voto na Capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.