Embaixadora do México espera extradição de Gloria Trevi

A embaixadora do México no Brasil, Cecília Soto, disseNesta terça-feira que nada impede a extradição da cantora Gloria Trevi e de dois ex-assessores para aquele país. A embaixadora contesta declarações recentes de advogados da artista segundo as quais um juiz mexicano teria anulado o pedido de extradição de Gloria e de sua ex-produtora,Maria Raquenel Portillo.Cecília contou que a decisão do juiz não é final e que, em 26 de julho, o governo mexicano e a Procuradoria Geral da República daquele país recorreram contra a sentença. ?Os recursos interpostos deixam sem qualquer efeito jurídico o amparo concedido pelo juiz?, informou a embaixada.Gloria, Maria Raquenel e seu ex-empresário Sergio Andrade estão presos no Brasil desde o início de 2000. No final daquele ano, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) atenderam os pedidos de extradição feitos pelo governo mexicano. Os três são acusados naquelepaís de rapto e corrupção de menores. Mas continuam até hoje no Brasil devido a vários incidentes, dentre os quais, a gravidez da cantora que, há cinco meses, deu à luz ao filho Angel Gabriel.A embaixadora disse que o governo mexicano ficou inconformado com a decisão do presidente do STF, Marco Aurélio Mello, de conceder prisão domiciliar para Gloria e Maria Raquenel. As duas ficaram 12 dias em um convento de Brasília. Mas, posteriormente, o despacho de Marco Aurélio foi cassado pelo ministro Carlos Velloso. As duas voltaram para a cadeia. De acordo com Cecília, a prisão domiciliar contrariava o tratado de extradição firmado entre os dois países e o Estatuto do Estrangeiro.No início da semana, os advogados de Gloria e Maria Raquenel encaminharam um recurso ao STF pedindo o retorno das duas para o convento. O recurso será julgado em breve pelos 11 ministros do Supremo. Conforme expectativas de integrantes do tribunal, as duas deverão ser mantidas na prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.