Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

Embaixador descarta motivação política em ataque no Suriname

Diplomata brasileiro em Paramaribo afirma que ato contra brasileiros foi de 'vandalismo e criminalidade comum'

Agência Brasil,

01 de janeiro de 2010 | 08h58

Uma semana depois do ataque a brasileiros no Suriname, o governo surinamês prendeu 41 suspeitos, inclusive o assessor pessoal do prefeito da cidade de Albina (a 150 quilômetros de Paramaribo, capital do país vizinho), onde ocorreram as agressões. À Agência Brasil, o embaixador brasileiro em Paramaribo, José Luiz Machado e Costa, descartou a possibilidade de motivação política na violência contra os brasileiros. Segundo ele, foi um ato de "vandalismo e criminalidade comum". O diplomata reiterou o esforço do governo surinamês em apurar o caso e punir os responsáveis.

 

Veja também:

linkEmbaixada divulga lista de brasileiros que estavam em Albina

linkEmbaixador confirma estupros no Suriname

linkPerfil: Suriname, colonizado pela Holanda e de maioria hinduísta

 

"A prisão do assistente pessoal do prefeito de Albina mostra o comprometimento do governo do Suriname em tomar providências e resolver o assunto", disse o embaixador. "Não há ação orquestrada com motivação política alguma. O que houve foi um ato de vandalismo e criminalidade comum", afirmou.

 

Costa tem desencorajado os brasileiros de retornarem a Albina. Segundo ele, o ideal é aguardar a orientação do governo do Suriname. "Os brasileiros só devem voltar a Albina depois que o governo do Suriname der garantias de que há controle absoluto da situação naquela região. Por isso, estamos desencorajando quem queira retornar para lá", disse.

 

Nesta última quarta-feira, um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) buscou um grupo de 32 brasileiros - 22 homens, nove mulheres e uma criança - que estava no Suriname. Os brasileiros desembarcaram em Belém (PA). A atenção foi dada principalmente para os cinco feridos. Um deles pode ter o braço amputado e o outro teve a mandíbula fraturada.

 

Na madrugada do dia 24, cerca de 300 "marrons", quilombolas (descendentes de escravos) do Suriname, atacaram um grupo de 200 estrangeiros, entre brasileiros, chineses e javaneses que viviam em Albina.

 

Durante o ataque, houve agressões físicas, estupros e depredações. Há suspeitas de pessoas desaparecidas e mortas. Segundo relatos de brasileiros que vivem no Suriname, os quilombolas costumam matar suas vítimas e jogar os corpos nos rios e matas fechadas. Mas o Itamaraty não confirma.

 

Desde o ataque surgiram novas ameaças e, por questão de segurança, o governo do Suriname reforçou o policiamento em todas as áreas em que havia risco. Os brasileiros foram retirados de Albina e são orientados a evitar algumas regiões.

 

A embaixada informou que os brasileiros estão hospedados em quatro hotéis de Paramaribo, com as despesas pagas pelo Ministério das Relações Exteriores. A principal dificuldade para identificar os brasileiros é que a maioria que vive no Suriname está ilegalmente no país.

Tudo o que sabemos sobre:
embaixadorSurinameataquebrasileiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.