Embaixador confirma relatos de estupros no Suriname

A maioria dos brasileiros resgatados para capital, Paramaribo, porém, deseja voltar para o garimpo

FELIPE RECONDO, Agencia Estado

29 de dezembro de 2009 | 11h16

O embaixador do Brasil no Suriname, José Luiz Machado e Costa, confirmou hoje relatos de estupro "em numero preocupante", durante ataque de quilombolas surinameses, na cidade de Albina. Duas brasileiras que estavam na região e foram levadas para a capital, Paramaribo, disseram à imprensa que conseguiram fugir, apesar das tentativas de estupro. Elas mostraram hematomas pelo corpo.

Suriname prende 35 por ataque

No hospital, onde estão internados quatro brasileiros, ainda não há confirmação da amputação do braço de um deles, que teve gangrena. Do total de 81 brasileiros que estavam na região e foram transferidos para Paramaribo, 15 deles demonstraram interesse de voltar ao Brasil. A maioria, porém, deseja voltar para o garimpo, em Albina.

Ainda ontem à noite foi resgatado da mata mais um brasileiro: Jamerson Muniz, de 44 anos de idade, que trabalhava há sete anos no garimpo em Albina. Depois do ataque dos quilombolas surinameses, ele se escondeu na mata, aguardando socorro. Os brasileiros resgatados de Albina continuam afirmando que há desaparecidos. Mas até o momento, a embaixada brasileira não confirma a ocorrência de mortes em Albina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.