Embaixada nega pressão ao Itamaraty

A Embaixada do Brasil em Havana garantiu que o governo cubano em nenhum momento pressionou o Itamaraty para que os atletas Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara fossem enviados de volta ao país. Um diplomata brasileiro explicou que os contatos de Cuba "foram diretamente com a polícia"e nem o Itamaraty em Brasília foi contatado durante o desaparecimento dos atletas.Diplomatas contaram que o caso divide a população em Havana. Uns acham que os dois precisam ser punidos de forma severa e outros que foi apenas um "erro de juventude" e devem ser perdoados. Um diplomata avaliou que a versão dos atletas para o desaparecimento "não convenceu" o governo cubano, que vem denunciando "o esquema de levar boxeadores do país para o exterior".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.