Em Washington, Chinaglia defende Venezuela no Mercosul

O presidente da Câmara dosDeputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP), defendeu a entrada daVenezuela no Mercosul durante visita a Washington esta semana. A Câmara adiou para este ano uma decisão sobre a propostade o país integrar o bloco comercial formado por Argentina,Brasil, Paraguai e Uruguai. O assunto Venezuela e o governo do presidente Hugo Chávez,o principal crítico dos Estados Unidos na América Latina, foialvo de perguntas em todas as reuniões com as autoridadesamericanas esta semana, afirmou o deputado. "Eu acho que vai ser aprovada", disse o deputado ajornalistas sobre a entrada do país no bloco. Argentina e Uruguai aprovaram o ingresso da Venezuela nobloco há mais de um ano, mas o assunto ainda depende deaprovação nos Congressos brasileiro e paraguaio. A adesão foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça(CCJ) da Câmara dos Deputados no final do ano passado, masainda faltam votações no plenário da Câmara e do Senado. Chinaglia disse que faz sentido a participação do paíssul-americano no bloco quando se soma a capacidade deinvestimentos em energia da Venezuela e do Brasil. "Governantes passam em qualquer lugar", afirmou. Chávez se queixou várias vezes pelo atraso do processo noCongresso brasileiro e chegou a acusar senadores de responder ainteresses dos EUA, quando pediram que ele reconsiderasse adecisão de não renovar a licença de um canal de televisãovenezuelano crítico a seu governo. (Reportagem de Adriana Garcia, Edição de Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.