Marcelo Camargo|Agência Brasil
Marcelo Camargo|Agência Brasil

Em voto de 'desconfiança', PMDB do Senado decide não comparecer à posse de Lula

Grupo de parlamentares peemedebistas se reuniu em residência do presidente do Senado para definir se participaria da cerimônia

Ricardo Brito, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2016 | 13h41

Brasília - Apontado como um dos principais pilares do governo Dilma Rousseff no Congresso, o PMDB do Senado decidiu não comparecer à posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no cargo de ministro-chefe da Casa Civil nesta quinta-feira, 17. O grupo, que se reuniu na noite desta quarta-feira na residência oficial do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), concluiu que não era oportuno participar da posse de Lula após a revelação da conversa entre Dilma e Lula em que sugere que a nomeação do ex-presidente teria tido como objetivo evitar que ele viesse a ser investigado na primeira instância pela Operação Lava Jato. Passaria, dizem, a ideia de que endossariam completamente a chegada de Lula.

Por isso, Renan, o líder do PMDB do Senado, Eunício Oliveira (CE), o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e outros representantes do grupo não participam da solenidade no Palácio do Planalto. Para um dos representantes do grupo, a presidente fez a sua "opção parlamentarista" ao entregar, no momento em que está ameaçada de sofrer um processo de impeachment, o governo a Lula. Em síntese, resumiu o interlocutor, foi dado um voto de "desconfiança" para o Executivo.

A avaliação do grupo, entretanto, é que o governo também precisará fazer gestos em relação ao partido. Antes de tomar posse e da revelação do grampo, Lula já conversou por telefone com Renan e com Eunício. Ficaram de se encontrar em breve, mas ainda não há qualquer encontro marcado.

Na semana passada, antes do acirramento da crise, o PMDB do Senado já se dividia sobre a ida de Lula para o governo. Renan se mostrava mais favorável à medida, com a avaliação de que poderia distensionar a crise política e retomar a confiança do País. Eunício tinha outra avaliação, dizia que, embora obviamente a medida fosse importante para o governo, iria gerar "várias especulações" em relação principalmente à questão da concessão do foro privilegiado nas investigações da Operação Lava Jato. Jucá vinha dizendo que a medida não surtiria efeito.

A avaliação do trio, diante dos últimos acontecimentos, converge para o aumento das dificuldades para o governo superar a crise. Ministros do partido, como os titulares de Minas e Energia, Eduardo Braga, e do Turismo, Henrique Eduardo Alves, têm participado das conversas com senadores e integrantes da cúpula partidária e demonstram preocupação com o agravamento da crise política e sobre um eventual desembarque do PMDB do governo Dilma. Nada, contudo, está decidido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.