Em visita à obra da BR-101, Lula minimiza críticas de Serra

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva minimizou nesta quarta-feira as críticas feitas pelo governador de São Paulo, José Serra (PSDB), ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Provocado por jornalistas durante uma visita às obras da BR-101 em Parnamirim, no Rio Grande do Norte, Lula evitou o confronto direto. Mas fez questão de destacar que, entre as obras estabelecidas como prioridade no programa, estão investimentos importantes em São Paulo, como a conclusão de mais um trecho do Rodoanel. "Nós temos grandes investimentos em todos os Estados. São Paulo tem grandes investimentos. O Rodoanel e o Ferroanel são obras históricas de São Paulo. Ele sabe que o primeiro trecho do Rodoanel eles levaram 12 anos para construir e nós estamos nos comprometendo com a parte dois", disse Lula, quando questionado sobre as críticas feitas ao programa pelo governador tucano. Em seguida, o presidente aproveitou para repetir a declaração dada durante a manhã, em visita a Recife, de que se algum governador quiser criticar o PAC que adote uma iniciativa semelhante para seu Estado. "Eu não conheço nenhum (governador), mas se tiver algum que faça uma crítica, ele que construa um PAC no seu Estado, o prefeito que construa um ´PACzinho´ em sua cidade. Aí, um ´PACzinho´ aqui, um ´PACzinho´ ali e um PAC nacional, a gente resolve o problema de infra-estrutura nacional", afirmou o presidente. Lula disse ainda que há uma tentativa de criar a idéia de divergência em relação ao programa e insistiu que se dispõe a ouvir demandas dos Estados. Outras obras, segundo ele, terão que ser discutidas "no Orçamento, fora do PAC". "O PAC é aquilo que é prioridade zero", disse Lula, acrescentando que trata-se de um programa de "integração nacional" e não de um processo de obras para atender o interesse dos Estados. Segundo o presidente, não está em negociação a possibilidade de repartir com os Estados a arrecadação de contribuições como a CPMF, uma das reivindicações dos governadores. Ele ressaltou que a solução para esse tipo de problema está na aprovação da reforma tributária. "Nós vamos resolver todos esses problemas quando votarmos a reforma tributária no Congresso Nacional."Lula, que aproveitou esta quarta-feira para visitar diversas obras inseridas no PAC, afirmou ainda que pretende acompanhar de perto a evolução dos projetos. Ele ressaltou que viajará por todo o Brasil neste segundo mandato e que exigirá relatórios quinzenais de todas as obras. A obra da BR-101, que está sendo duplicada em diversos trechos da região Nordeste, figura entre as prioridades incluídas pelo presidente no PAC. Segundo o governo federal, somente no trecho de Parnamirim serão investidos R$ 107 milhões. O presidente afirmou que, com a obra, será criado um novo modelo de rodovias para o Brasil. MinistérioO presidente Lula afirmou que somente ele decidirá como e quando será formada a nova equipe de governo. Ele mostrou-se disposto a ouvir as reivindicações do PT quanto à obtenção de espaço no novo governo, mas garantiu que as decisões finais sobre o novo ministério serão tomadas tendo como único objetivo assegurar a eficiência do novo time. "Eu nasci na vida política fazendo reivindicação. Portanto, quem quiser fazer reivindicação, eu sou o homem, sou um recipiente de reivindicações", disse o presidente.Segundo Lula, a prioridade na seleção da equipe será "a competência técnica e profissional". Questionado sobre se deixará de lado os amigos na nova escalação, o presidente completou: "Certamente, todos serão amigos, até porque eu não colocaria um inimigo no governo. Agora, amigos à parte. Trabalho é coisa séria".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.