Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Em vídeo, um dos autores do pedido do impeachment de Dilma defende PT e critica cúpula da sigla

Em material divulgado pelo movimento Vem pra Rua, Hélio Bicudo afirma ser preciso diferenciar sigla de seus dirigentes; ele ainda defende o teor da acusação contra a presidente afastada

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2016 | 11h53

Em um vídeo divulgado nesta quinta-feira, 25, pelo movimento Vem pra Rua, o jurista Hélio Bicudo faz uma defesa do Partido dos Trabalhadores (PT), diferenciando-o dos escândalos que abateram a cúpula da legenda. Bicudo é um dos autores do pedido de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff(PT), cujo processo final de votação teve início nesta quinta no Senado Federal. O jurista não foi a Brasília para o julgamento por orientação médica.

"Tem que se fazer uma diferença entre a cúpula e o partido. Eu acho que o partido tem muita energia no sentido de lutar contra esse estado de coisas que estamos vivendo", falou. Bicudo disse que ingressou no partido e que saiu na sequência quando percebeu que havia interesses de "engordar os bolsos dos participantes (do PT)".

No vídeo, Bicudo defende o teor da acusação contra Dilma: "Nós estamos baseados na lei e nos bons costumes, buscando tirar uma presidente eleita pelo povo, mas que nem por isso deixa de ser num procedimento contra as atitudes que ela tomou durante o tempo que governou o País."

Ele disse ainda que o afastamento da petista representa a consideração do Brasil como uma "nação democrática" e que nem mesmo a representação do PT na Comissão de Direitos Humanos da OEA pode reverter a decisão dos senadores. "A comissão não tem nenhum poder de corrigir aquilo que acontece num determinado país", frisou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.