Facebook de Michel Temer
Facebook de Michel Temer

Em vídeo, Temer cita 'gente que quer semear a desordem nas instituições'

Antes de embarcar para a China, presidente publica material em que diz que tem 'força necessária para resistir' em contexto sob ameaça de nova denúncia

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2017 | 11h54

BRASÍLIA - Em vídeo gravado na noite de segunda-feira, 28, o presidente Michel Temer afirmou ter "força necessária para resistir" no momento em que a Procuradoria-Geral da República (PGR) deve apresentar segunda denúncia contra ele. A primeira foi rejeitada pela Câmara dos Deputados em 2 de agosto. O material foi divulgado nesta manhã de terça-feira, 29, em redes sociais oficiais, antes de seu embarque para a China, onde participa da Cúpula dos Brics. A previsão é de que a PGR apresente a peça até 17 de setembro, quando termina o mandato do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“Sabemos que tem gente que quer parar o Brasil, e esse desejo não tem limites. Quer colocar obstáculos ao nosso trabalho, semear a desordem nas instituições, mas tenho força necessária para resistir”, disse Temer,, destacando que “o momento pede sobriedade, responsabilidade e paciência”. “Nenhuma força me desviará desse rumo”, completou.

O presidente disse ainda que se os brasileiros “estão desconfiados da política é porque já sofreram muito e amargaram grandes decepções”. “Mas no fim sempre torcem para dar certo. Vai dar certo. Não vamos deixar que a agenda negativa venha abater o nosso ânimo”, afirmou Temer.

VIAGEM

No vídeo, Temer promete levar ao país asiático a agenda de projetos de concessão e privatização anunciado na semana passada. “Estou indo visitar a segunda maior economia do mundo. E qual é o nosso objetivo? Primeiro, queremos tornar mais sólida a relação comercial já existente. Temos uma relação comercial com os chineses – e isso precisa ser mantido. Em segundo lugar, viajo para ampliar nossas relações. A China poderá ser uma das grandes investidoras nos nossos projetos de concessões que anunciei na semana passada”, diz o presidente. “Eles poderão fazer a diferença em investimentos nas áreas de energia, portos, aeroportos, na área do agronegócio e nas finanças. Além de exportar mais, podemos trazer mais capital chinês, e com isso, acelerar a criação de empregos e melhorar a renda do trabalhador brasileiro.”

DISCURSO

Assim como tem feito em todas as oportunidades de discursos, o presidente destaca os indicadores econômicos brasileiros, diz que a herança do governo da ex-presidente Dilma Rousseff já está sendo superada e faz a defesa de seu governo reformista. “É impossível também pensar o Brasil de amanhã sem crescimento. A herança que nos foi legada do governo anterior já está sendo corrigida e, progressivamente, vamos eliminando carestia e os juros altos”, diz. “A volta dos empregos já é uma realidade. Estamos resgatando orgulho e a confiança perdida”, completa. Temer diz que chegou ao governo “com um plano claro de reformas”. “ E com o apoio decisivo do Congresso, com a sua torcida e com o empenho de todos, nós o estamos executando.”

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer China [Ásia] Vídeo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.