Reprodução/SBT
Reprodução/SBT

Em vídeo, Queiroz dança no hospital

Estado confirmou a autenticidade da filmagem com pessoas próximas ao ex-assessor de Flávio Bolsonaro; defesa fala em 'raro momento de descontração'

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

12 Janeiro 2019 | 13h38

RIO DE JANEIRO -  Um vídeo gravado por uma filha de Fabrício de Queiroz no qual o ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) dança no hospital Albert Einstein, em São Paulo, enquanto toma soro, viralizou neste sábado, 12, nas redes sociais. A defesa diz que as imagens foram feitas em 'raro momento de descontração'. Mais tarde, Queiroz publicou novo vídeo no qual se diz revoltado com a circulação das imagens e nega que estaria 'comemorando' não comparecer ao Ministério Público para prestar esclarecimentos sobre o Caso Coaf, no qual é investigado por movimentação financeira superior ao seu rendimento.

O vídeo foi feito na virada do ano, no dia 31 de dezembro, dentro do quarto do hospital, onde o ex-assessor estava internado. Queiroz afirmou que foi submetido no dia seguinte a uma cirurgia para a retirada de um câncer no intestino.

Relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontou movimentações atípicas na conta do ex-funcionário do gabinete de Flávio Bolsonaro. Conforme o Coaf, o então assessor movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e o mesmo mês de 2017. Da mesma conta, saíram R$ 24 mil depositados em uma conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro – o presidente Jair Bolsonaro disse que os repasse se refere a parte do pagamento de uma dívida antiga que Queiroz tinha com ele.

A doença foi o motivo alegado por Queiroz para faltar a depoimentos no Ministério Público do Rio. O ex-assessor teve alta na terça-feira passada. Na gravação de 23 segundos ele aparece dançando, em meio a gargalhadas, enquanto a filha diz: “Agora é vídeo, pai! Pega teu amigo, pega teu amigo!”. Ele rodopia em seguida, fazendo um sinal de positivo com as mãos.

Pessoas próximas a Queiroz afirmaram que o vídeo foi “uma brincadeira de alguns segundos”, “uma descontração entre a família na virada” do ano. Outros interlocutores do ex-assessor consideraram a gravação um “desastre” para sua defesa no caso Coaf. 

A defesa do ex-assessor divulgou nota afirmando que o vídeo foi feito “no raro momento de descontração na visita deles no Albert Einstein”. Segundo o comunicado, Queiroz passaria por uma grave cirurgia nas horas seguintes, inclusive com risco de morte”. 

O advogado Paulo Klein afirmou que a gravação foi feita à meia-noite do dia 31 de dezembro. “Foi feito dentro do contexto humanamente compreensível, pois trata-se de uma data comemorada universalmente.”

Além de alegar problemas de saúde, o ex-assessor faltou a outros depoimentos marcados no Ministério Público com a justificativa de que não havia tido acesso aos autos da investigação. Nathalia e Evelyn Melo de Queiroz, filhas do ex-assessor, também faltaram a suas oitivas. Assim como o pai, elas foram funcionárias de Flávio Bolsonaro e são citadas no relatório do Coaf. As duas afirmaram ao MP que precisavam ficar com o pai doente e por isso não poderiam depor nas datas marcadas.

A assessoria de imprensa do Ministério Público do Rio informou que o procurador-geral de Justiça, Eduardo Gussem, concederá entrevista coletiva nesta segunda-feira, quando vai se pronunciar sobre a investigação do caso.

Na terça-feira passada Queiroz disse ao Estado que dará as explicações apenas ao MP “por respeito” ao órgão, mas não informou a data. Queiroz também afirmou que está sendo tratado como “o pior bandido do mundo”. Ele culpou a exposição do caso Coaf pelos problemas de saúde detectados recentemente.

“Após a exposição de minha família e minha, como eu fosse o pior bandido do mundo, fiquei muito mal de saúde e comecei a evacuar sangue. Fui até ao psiquiatra, pois vomitava muito e não conseguia dormir”, disse. O documento do Coaf aponta que Queiroz, além de movimentar R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e de 2017, recebeu depósitos de outros assessores de Flávio Bolsonaro.

Em entrevista ao SBT, Queiroz justificou a movimentação bancária considerada atípica pelo Coaf com o argumento de que “fazia dinheiro” com a compra e revenda de carros.O relatório foi produzido na Operação Furna da Onça, conduzida pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal para investigar corrupção na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). A ação resultou na decretação da prisão de dez deputados estaduais.

A investigação, porém, foi transferidas para o Ministério Público do Estado do Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.