Em vídeo do Dia do Trabalho, Dilma enfatiza valorização do salário mínimo

Presidente divulgou material na internet no qual destaca a política dos governos petistas para o trabalhador, além de lembrar a correção na tabela do imposto de renda

Aline Bronzati, O Estado de S. Paulo

01 de maio de 2015 | 09h43

Atualizado às 09h56

São Paulo - A presidente Dilma Rousseff destacou, em seu pronunciamento sobre o dia 1º de Maio, quando se comemora o Dia do Trabalho, a valorização do salário mínimo e a correção da tabela do imposto de renda. "Nos últimos 13 anos, o Dia do Trabalhador tem sido uma data para celebrar as vitórias da classe trabalhadora. A valorização do salário mínimo é uma das maiores conquistas deste período", enfatizou ela, em vídeo publicado nas redes sociais, na manhã desta sexta-feira.

Dilma lembrou que, em março deste ano, encaminhou ao Congresso Nacional medida provisória que garante a política de valorização do salário mínimo até 2019. Citou ainda que, em 2010, foi aprovada lei semelhante que garantiu ao salário mínimo aumento de 14,8% acima da inflação durante o primeiro mandato. Essa política, segundo ela, beneficia 45 milhões de trabalhadores e aposentados.

Confira o vídeo abaixo:

 

Além de enfatizar a valorização do salário mínimo, Dilma disse que, por meio da correção da tabela do imposto de renda, também enviada em março deste ano, o trabalhador terá seu "salário preservado e não irá pagar um imposto maior". "Tudo isso vem garantindo um Brasil mais justo", destacou a presidente.

Essa é a primeira vez que Dilma não recorre à rede nacional de rádio e televisão para celebrar o 1º de maio. A estratégia visou evitar um novo panelaço com hora marcada. O governo, porém, alegou que a presidente, ao preferir se manifestar pelas redes sociais, apenas privilegiou outro meio de comunicação. O Planalto estuda divulgar ao longo de hoje outros vídeos da presidente com diferentes temáticas envolvendo a data comemorativa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.