Em troca de liberdade, Arruda aceita não voltar ao governo

Advogado de Arruda disse que governador não volta mais ao cargo até dezembro, quando encerra seu mandato

Leandro Colon, de O Estado de S.Paulo,

25 de fevereiro de 2010 | 13h42

O governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, não pretende voltar ao governo se for libertado pelo Supremo Tribunal Federal e aceita assumir, por carta, o compromisso de ficar licenciado do poder até o fim das investigações sobre o mensalão do DEM. "Isso está decidido, ele não volta mais ao governo", afirmou o advogado Nélio  Machado nesta quinta-feira, 25. 

 

Veja também:

linkComissão aprova processo contra deputado da meia no DF

linkArruda pede que Supremo adie julgamento

linkSTF não descarta hipótese de intervenção

especialEntenda a operação Caixa de Pandora

 

O compromisso de se manter afastado seria uma das cartas na manga para a defesa de Arruda conseguir convencer os ministros do STF a conceder o habeas corpus a favor do governador. Os advogados devem alegar que Arruda, fora da cadeia, não teria como usar o cargo para atrapalhar as investigações, fato que motivou sua prisão.

 

O movimento de anunciar o compromisso de permanecer afastado até o fim das investigações ainda está sendo decidido, informou o advogado. Pode ser durante o julgamento do habeas corpus ou dias antes. "Tem o plano jurídico e político. Poderia ser uma carta para a Câmara e uma petição da defesa na Justiça, por exemplo. É um compromisso. Não posso dizer ao tribunal que farei uma coisa e, depois, fazer outra", explicou. "Parece lógico que ele, afastado do governo, não influenciaria nas investigações", ressaltou.

 

Machado admite que Arruda poderia ficar fora do governo até dezembro, quando encerra seu mandato. "O prazo é aleatório e pode esgotar o mandato. Paciência", disse. O julgamento do habeas corpus no STF deveria ter ocorrido nesta quinta-feira, mas a defesa de Arruda pediu o adiamento da sessão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.