Em SP, governistas barram convocações no caso Alstom

A base governista na Assembléia Legislativa de São Paulo conseguiu derrubar ontem seis pedidos de convocação de políticos e empresários para explicar o caso Alstom na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Eletropaulo. A multinacional francesa, que atua nos setores de transportes e energia, está no centro de uma investigação internacional sobre pagamento de propinas em troca de contratos.Foram rejeitadas as convocações dos ex-presidentes da Eletropaulo e da Alstom, Eduardo José Bernini e José Luiz Alquéres, que ocupavam cargos-chave nas empresas na época em que, segundo investigação do Ministério Público da Suíça, teria havido pagamento de propina a integrantes do governo Mário Covas (PSDB).Os aliados do governador José Serra (PSDB) também barraram a convocação de Andrea Matarazzo, secretário municipal de Coordenação das Subprefeituras e ex-secretário de Estado de Energia, de Mauro Arce, também ex-secretário de Energia e hoje secretário de Estado dos Transportes, e do dono da empresa Acqua Lux, Sabino Indelicato, que teria recebido dinheiro para repasse do suborno, além de outro ex-dirigente da Eletropaulo. A oposição não conseguiu aprovar nem mesmo ofício ao Ministério Público do Estado e à Polícia Federal que solicita informações sobre a investigação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.