Em SP, Dilma sobe o tom de críticas contra Serra

Nos primeiros lances da disputa presidencial nas ruas, a candidata do PT, Dilma Rousseff, intensificou o tom dos ataques ao principal rival, o tucano José Serra, a quem veladamente chamou de presunçoso, em vez de seguir a estratégia de só comparar projetos de governos do PT e do PSDB. A ofensiva é resposta a uma escalada de críticas diretas feitas pelo candidato do PSDB à petista nos últimos dias. Os candidatos, que participaram de agendas em horários simultâneos em São Paulo, sugerem que os ataques pessoais poderão dominar essa fase da campanha eleitoral.

AE, Agência Estado

08 Julho 2010 | 09h05

"Quero ser a primeira mulher presidente do Brasil. Não sou daqueles que acham que são capazes de fazer tudo, daquele tipo orgulhoso, presunçoso, que acha que tudo sabe e tudo faz. Eu preciso de gente e de equipe", afirmou Dilma, em discurso na Praça da Sé, centro da capital paulista, quando criticou indiretamente o que considera estilo centralizador de Serra e começou a elucidar políticas para educação, saúde e segurança. Foi o primeiro ato oficial de campanha no Estado.

Reagindo às estocadas da petista, Serra afirmou que também precisa de equipe, mas tem ideias próprias. "Não saio de manhã um dia e o marqueteiro diz: ?Hoje você fala mal do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra)?, e no dia seguinte diz: ?Hoje você fala bem do MST?. No outro dia: ?Hoje você defende juros siderais; amanhã defende redução de juros?. Se vai de acordo com o comunicador, vai nessa toada", cutucou Serra, que chamou Dilma de "ventríloquo de marqueteiro". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.