Em SP, Dilma defende a liberdade de imprensa

A presidente da República, Dilma Rousseff, defendeu hoje à noite a liberdade de imprensa e os valores da democracia brasileira. Em discurso de 10 minutos proferido durante cerimônia de comemoração dos 90 anos do jornal "Folha de S.Paulo", Dilma reconheceu que a imprensa brasileira viveu a maior parte de sua história sob alguma forma de censura.

ANNE WARTH, Agência Estado

21 de fevereiro de 2011 | 23h42

"No Brasil de hoje, uma democracia tão nova, todos nós devemos preferir um milhão de vezes o som das críticas de uma imprensa livre ao silêncio das ditaduras", disse. Dilma reafirmou, no discurso, seu "compromisso inabalável com as liberdades plenas" e a necessidade de aceitar múltiplos pontos de vista. "Um governo deve saber conviver com as críticas dos jornais para conviver com a democracia."

A presidente relembrou momentos históricos da imprensa no País. "A censura obrigou o primeiro jornal brasileiro a ser impresso em Londres, a partir de 1808". Nestes 188 anos de independência, é necessário reconhecer que, na maior parte do tempo, a imprensa brasileira viveu sob algum tipo de censura. De Líbero Badaró a Vladimir Herzog, ser um jornalista no Brasil tem sido um ato de coragem", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaaniversárioFolha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.