Em SP, candidatos vão às ruas, mas evitam confronto

Após semanas de troca de farpas, todos foram à zona leste fazer campanha, mas não trocaram acusações

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2008 | 00h00

Depois de trocarem farpas durante semanas seguidas, os três principais candidatos à Prefeitura de São Paulo deram a largada na campanha eleitoral, ontem, com a mesma agenda - uma visita à 17ª Festa das Nações, organizada anualmente pela comunidade de Ermelino Matarazzo, na zona leste - e adotando um tom bem mais ameno, evitando críticas mútuas. A ex-ministra Marta Suplicy apareceu de manhã e Geraldo Alckmin (PSDB) e Gilberto Kassab (DEM) foram no início da noite. Quando o tucano encerrava a visita, de um lado, o prefeito apareceu na outra ponta da festa. A 326ª Zona Eleitoral, da região visitada, abriga 104.305 eleitores aptos a votar em outubro, de acordo com informações da Justiça Eleitoral. Feliz com os novos números da pesquisa Datafolha, que lhe deram uma dianteira de sete pontos sobre Alckmin (38% a 31%), Marta chegou na hora em que começava a missa das 10 horas. Depois saiu circulando pelas barracas,cuja receita é destinada a um lar de idosos comandado por Antonio Luiz Marchioni, líder comunitário conhecido como padre Ticão. Somente as paróquias engajadas sob comando do religioso reúnem de 15 mil a 20 mil pessoas. Alckmin chegou por volta das 18 horas, quando foi oficiada outra missa. Tradicionalmente apoiado pelo tucano, padre Ticão foi classificado pelo ex-governador como "um grande amigo, uma pessoa muito querida". Para Marta, padre Ticão "é uma entidade na zona leste". Ela negou que estivesse ali para buscar votos junto a um eleitorado fiel ao rival tucano.Cauteloso, o padre assegurou que não tem filiação partidária e trabalha independentemente de quem esteja na administração municipal. "De quem estiver no governo, vamos reivindicar."A semelhança no comportamento dos três candidatos não ficou no tom das declarações. Como de praxe, todos se submeteram ao ritual dos salgadinhos e outras comidinhas típicas de campanha eleitoral. Marta comeu bolinho de bacalhau, tomou caldo verde e aceitou coquetéis. Famoso por gostar de padarias, Alckmin aceitou pão de queijo e muitos cafezinhos. Kassab, que antes da festa participou da Fórmula Truck, esteve mais contido: aproveitou o sol para tomar um sorvete. COLABORARAM MOACIR ASSUNÇÃO E TATIANE MATHEUS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.