Rafael Marchante/Reuters
Rafael Marchante/Reuters

Em sigilo, Justiça suíça investiga operador do MDB desde 2014

Contas de Mário Miranda foram bloqueadas após cruzamento com dados de offshores; Moro aceita pedido de soltura

Jamil Chade, CORRESPONDENTE, O Estado de S.Paulo

02 Junho 2018 | 05h00

GENEBRA - A Justiça da Suíça abriu inquérito criminal contra Mário Miranda, apontado como operador do MDB, antes mesmo de ser conhecida a dimensão de desvios envolvendo a Petrobrás na Lava Jato.

O inquérito, aberto em 2014, está sob sigilo. Nesse período, as contas de Miranda foram reviradas e os depósitos, cruzados. A Justiça suíça usou dados de dezenas de empresas offshores, o que levou ao congelamento de contas secretas.

“Podemos informar que o escritório do Procurador-geral da Suíça abriu um inquérito criminal em 2014”, indicou o Ministério Público em Berna ao Estado ao ser questionado sobre Miranda. “Dentro do quadro desse processo criminal, o Escritório do Procurador-geral identificou e congelou várias contas na Suíça”, disse o MP.

+++Procuradoria alertou para ‘concreto risco de fuga’ de operador do MDB

Apesar de o inquérito ter sido aberto pela procuradoria da Suíça em 2014, o caso foi transferido para o Brasil em março deste ano. Em maio, Miranda foi preso preventivamente na Operação Dejà Vu, 51.ª etapa da Lava Jato. Ao depor para a Justiça brasileira, ele confessou crimes e deixou à disposição das autoridades US$ 7,2 milhões em valores repatriados. Segundo ele, o dinheiro foi fruto de práticas ilícitas em contratos da Petrobrás. Nesta sexta-feira, 1.º, o juiz Sérgio Moro expediu alvará de soltura do operador.

Essa investigação mira em contrato da área Internacional da Petrobrás no valor de US$ 825 milhões e repasses de propina ao MDB. De acordo apuração da Operação Dejà Vu, só esse contrato teria rendido propinas de US$ 40 milhões à sigla. Segundo a investigação, o valor foi acertado em 2010 em uma reunião entre executivos da Odebrecht e os ex-presidentes da Câmara Henrique Eduardo Alves e Eduardo Cunha e Michel Temer, então candidato a vice-presidente.

+++A investigação da Suíça que originou a 51.ª fase da Lava Jato e assombra o MDB

Defesas. O criminalista Antonio Figueiredo Basto, advogado de Mário Miranda, disse que ainda não teve acesso às informações sobre o inquérito do MP da Suíça. Basto observou que só se manifestaria quando receber dados oficiais sobre a investigação.

No dia 20 de maio, quando o depoimento de Miranda foi divulgado, a reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto, mas não obteve resposta. Foram procuradas as defesas dos ex-deputados e ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Alves, mas elas também não se manifestaram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.