Em seu blog, Dirceu ironiza Jungmann por denúncia

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu ironizou nesta sexta-feira a situação do deputado Raul Jungmann (PPS-PE), que foi denunciado pelo Ministério Público Federal sob a acusação de ter desviado R$ 33 milhões em contratos de publicidade do Incra durante sua gestão como ministro do Desenvolvimento Agrário durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Jungmann disse ter achado estranho a denúncia ter surgido no momento em que articula uma candidatura alternativa à presidência da Câmara. O deputado adiou entrevista coletiva programada para esta sexta-feira com o objetivo de rebater as acusações. Ele garantiu que provará sua inocência Na avaliação de Dirceu, Jungmann "nunca deu direito de defesa a ninguém". "Pelo contrário, prejulgou e linchou todos os investigados no caso dos sanguessugas e em outras denúncias, como se fosse um Torquemada (Tomás de Torquemada, 1420-1498, primeiro inquisidor-geral da Espanha) de plantão. Exigiu renúncia, afastamento dos cargos", afirmou Dirceu em seu blog. "Agora, quando é acusado de ser ´chefe de quadrilha´, quer para si o que negou aos demais e, além disso, vê motivação política nas acusações", acrescentou. Para o petista, se fosse aplicado a Jungmann o tratamento que deu a outros parlamentares que sofreram acusações nos últimos dois anos, ele já seria culpado, pois o deputado ignora a presunção de inocência. Dirceu teve seu mandato cassado em 2005, mesmo sem provas documentais contra ele, pela suspeita de ter sido o mentor do esquema de caixa 2 do PT e do mensalão - pagamento de uma suposta mesada a parlamentares para votarem a favor de projetos do governo. O ex-ministro tem seus direitos políticos suspensos até 2015, quando estará com 70 anos. "Foi assim que Jungmann se comportou durante todas as investigações, como um verdugo, como um Torquemada, sem o mínimo respeito aos direitos individuais dos acusados e ao devido processo legal - e, diga-se de passagem, com muita cobertura da mídia", opinou.Dirceu colocou em seu blog links que direcionam para reportagens feitas quando Jungmann era ministro mostrando que sua participação no caso já era conhecida antes mesmo da denúncia desta semana. "As provas colhidas revelam de modo claro a existência de uma verdadeira estrutura ilícita, nos moldes de uma quadrilha, destinada a dilapidar o patrimônio do Incra por meio de sucessivos desvios nos contratos de publicidade", disse Dirceu, citando o Estado. "Aí, como diz o deputado Jungmann, é preciso ir até o fim. O mínimo que ele tem de fazer é se desligar de qualquer investigação e, mais, pelo critério que ele utilizou contra todos os outros parlamentares, deveria pedir licença do mandato até que as investigações terminem. Isso sem falar no tal ´grupo dos 30´, dos deputados que dizem defender a ética", sugeriu Dirceu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.