Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Em ‘semana eletrizante’, ponto alto da CPI foi parecer de juristas sobre crimes de Bolsonaro

Em novo episódio de ‘Por Dentro da CPI’, Eliane Cantanhêde aponta ainda que o depoimento do diretor da Prevent Senior à comissão, marcado para terça, 22, deverá 'envolver novamente o presidente da República e o Palácio do Planalto'

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2021 | 12h21

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid teve uma “semana eletrizante” por conta dos depoimentos dos lobistas Marcos Tolentino, apontado pelos senadores como sócio oculto do FIB Bank, e de Marconny Albernaz Faria, suspeito de ser lobista da Precisa Medicamentos, empresa que intermediou a venda para o Brasil da vacina indiana Covaxin. A dupla tem “muito a dizer” e a “esconder”, analisa a jornalista Eliane Cantanhêde, no novo episódio de Por Dentro da CPI.

Mas o ponto alto dos trabalhos dos últimos dias fica por conta da entrega do parecer elaborado por mais de 200 juristas que assessoram a CPI. Liderados pelo ex-ministro da Justiça Miguel Reale Jr., o grupo tipificou sete possíveis crimes cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro na condução da pandemia de covid-19 no País.

Considerado “duro” o parecer dará suporte ao relatório final da comissão, a ser preparado pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL). Além disso, terá três destinos: a Câmara dos Deputados, quando da entrega de novo pedido de impeachment de Bolsonaro; a Procuradoria-Geral da República, com pedido de abertura de inquérito por crime comum; e o terceiro, que "extrapola fronteiras”, será o Tribunal Penal Internacional, em Haia.

Reale Jr., que foi autor do pedido de impeachment do ex-presidente Fernando Collor e couautor do pedido contra a petista Dilma Rousseff, avalia que os crimes cometidos por Bolsonaro foram muito mais graves e que as consequências foram “terríveis”.

Após alegar falta de “tempo hábil” para comparecer ao depoimento previsto para quinta-feira, 16, o diretor executivo da Prevent Senior, Pedro Batista, teve sua oitiva remarcada para a próxima terça, 22. Segundo Eliane, a presença do médico diante dos senadores para falar sobre as pesquisas feitas na rede para “ratificar” o uso do chamado “kit covid” no tratamento de pacientes com coronavírus “envolver novamente o presidente da República e o Palácio do Planalto”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.