Em São Paulo, usineiros passam de heróis a vilões

Um dia depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva eleger os usineiros como "heróis mundiais", o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), armou um aparato aéreo e deslocou dois secretários para responder a Lula e avisar aos usineiros que seu governo pensa bem diferente do presidente."Queremos o avanço da cana e do álcool, mas não vamos tolerar que esse avanço seja à custa de danos ambientais. As usinas que forem pegas praticando crimes ambientais não receberão licença de funcionamento", afirmou Serra na tarde desta quarta-feira, numa solenidade em São José do Rio Preto.Antes, pela manhã, os secretários do Meio Ambiente, Francisco Graziano, e o de Justiça, Luiz Antônio Marrey, além do procurador de Justiça do Estado, Rodrigo Pinho, usaram um jatinho e um helicóptero para descer numa área degradada, na zona rural de Riolândia, noroeste do Estado, onde uma usina de álcool havia cortado e enterrado 400 árvores de uma mata."Estamos aplicando multa pesada e esta usina só vai poder funcionar depois de pagar a compensação ambiental", afirmou Graziano. Segundo ele, para repor as 400 árvores, a usina terá de plantar 140 mil árvores. Graziano disse que a punição ocorre porque os usineiros são reincidentes nas infrações. "Vamos acabar com isso e punir os vilões", afirmou.Na solenidade de repasse de um terreno do Estado para construção do Fórum de Rio Preto, Serra ressaltou que seu governo vai fiscalizar as usinas e que está preparando um protocolo sobre queimadas. Um assessor de Serra confirmou que a atitude do governador foi mesmo em resposta ao presidente Lula.Serra disse que o governo do Estado vai apertar a fiscalização contra as usinas, mas por outro lado, continuará dando apoio tecnológico ao setor, como já faz por meio do Instituto Agronômico (IAC) e Instituto de Economia Agrícola (IEA). "Isso que estamos fazendo é só um aviso. A polícia ambiental e outros órgãos do governo estarão atentos aos abusos cometidos pelo setor do álcool", afirmou Marrey.SustoAntes de descer em São José do Rio Preto, os secretários Marrey, Graziano e o procurador Pinho passaram por um susto. O jatinho que usavam colidiu com um urubu, a oito minutos de descer no aeroporto de Eribelto Manoel Reino, de Rio Preto."Houve um forte barulho e ficamos assustados. Cheguei a ver o urubu pela minha janela, mas o susto foi grande, por sorte descemos bem e só fomos ver o perigo depois", contou Marrey.O urubu abriu um buraco de aproximadamente 30 centímetros na fuselagem do bico do jatinho Beetch-40 da Líder Táxi Aéreo, que ficou estacionado na oficina do aeroporto à espera de avaliação de técnicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.