´Em São Paulo não tem ladrão´, afirma Alckmin

O governador de São Paulo e candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, fez hoje, no bairro de Perus, na capital paulista, um discurso, afirmando que, "em São Paulo não tem ladrão". Sem citar nomes ou legendas, ele disse: "Vemos corrupção e o dinheiro sendo roubado e desperdiçado por outros governos." "Nosso partido (PSDB) pode olhar nos olhos de vocês."A declaração do governador foi uma reação a um grupo de seis manifestantes, que acompanharam, na tarde de hoje, a cerimônia de entrega do Poupatempo Móvel, em Perus. Depois de ouvir muitas críticas e protestos, ele continuou no seu discurso: "Podemos até desculpar os amigos da oposição que vieram alegrar a nossa festa. Se a oposição não estivesse presente, ficaria chato."Em entrevista coletiva, Alckmin não quis dizer para quem foi o recado dado durante o discurso, mas disse estar percebendo a presença de "provocadores" em várias de suas agendas públicas. "Não é manifestação espontânea, mas também não sei qual a origem", comentou. "Estou absolutamente zen. Por isso, vão brigar (manifestantes) sozinhos. E também não tenho medo de cara feia."Eleitor do MalufO líder dos manifestantes apresentou-se como Clébio Ferreira de Souza, de 21 anos, e disse que é pré-vestibulando da área de Ciências Sociais. "Precisamos de investimentos na educação e cultura. E agora, ele (Alckmin) vem fazer propaganda eleitoral em Perus. Deveria ter vindo antes."Um dos cartazes que ele carregava pregava o voto nulo. Clébio negou que fosse petista, mas destacou as realizações da ex-prefeita petista Marta Suplicy neste bairro, como a construção de um Centro Educacional Unificado (CEU).A pequena manifestação quase acaba em pancadaria, quando o frentista Luis Álvoro Pussi, de 42 anos, quis conter os protestos. Os integrantes da segurança do próprio governador conseguiram evitar o início da briga. "Nunca vi uma pessoa honesta e tão importante em Perus e esse meninos querem estragar tudo", disse Pussi, citando que era eleitor do ex-prefeito da capital Paulo Maluf, mas que, nestas eleições, votará em Geraldo Alckmin, porque acredita que o tucano resolverá o problema do emprego no País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.