Roberto Stuckert/PR 30.01.2012
Roberto Stuckert/PR 30.01.2012

Em Salvador, Dilma faz breve menção a atuação de Negromonte

Presidente participou de cerimônia em Camaçari, reduto eleitoral do ministro das Cidades

Tiago Décimo, correspondente em Salvador

30 de janeiro de 2012 | 13h00

A presidente Dilma Rousseff fez, na manhã desta segunda-feira, 30, em Camaçari, região metropolitana de Salvador, um breve elogio à atuação do Ministério das Cidades, durante a cerimônia de assinatura da ordem de serviço para o início das obras de revitalização urbanística da Bacia do Rio Camaçari. O titular da Pasta, Mário Negromonte, da bancada baiana do PP, também presente no evento, é apontado como um dos próximos a deixar o governo, por causa de denúncias de irregularidades em sua gestão.

"Queria cumprimentar os ministros de Estado que me acompanham (eram seis, na cerimônia) e vou começar cumprimentando o ministro Mário Negromonte, que no meu governo tem sido responsável pela política de urbanização de favelas, habitação, saneamento e proteção de encostas", disse a presidente, no início do discurso. Na conclusão da fala, depois de citar o ministro nominalmente três vezes - foi o único citado depois dos cumprimentos iniciais -, Dilma deu os parabéns aos responsáveis pelo projeto e, entre eles, disse o nome apenas do titular das Cidades. "O governador (Jaques Wagner), o prefeito (de Camaçari, Luiz Caetano), o ministro Negromonte, os demais ministros, a Caixa estão de parabéns pelo projeto".

Durante o discurso, Dilma também disse que o Brasil não enfrenta a crise econômica mundial por ser "diferente" dos outros países e criticou os governos anteriores ao do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, segundo ela, não davam importância à política habitacional. "O nosso modelo é diferente dos outros modelos", afirma. "Para nós, o Brasil vai crescer se as pessoas melhorarem de vida".

Sobre a construção de moradias, Dilma diz que o Brasil "passou mais de 20 anos sem ter uma política real de habitação". "Isso comprova a pouca importância que lideranças políticas e governos deram a uma questão que é essencial", avalia. "A casa é, talvez, a coisa mais importante para qualquer família. É a garantia de segurança, de proteção e acolhimento para nossas crianças, nossos filhos".

O projeto de urbanização da bacia hidrográfica prevê, além da construção da rede de saneamento básico da região, da recuperação ambiental da área, da proteção de encostas e da instalação de rede de iluminação pública, ao custo de R$ 163 milhões, a construção de 2.357 unidades habitacionais do programa Minha Casa, Minha Vida, destinado a famílias com renda de até R$ 1,6 mil. Os investimentos previstos são de R$ 112 milhões.

Além de ter sido citado no discurso de Dilma, o ministro Negromonte também foi o único que teve oportunidade para discursar. Nos quatro minutos em que falou, porém, limitou-se a cumprimentar os integrantes dos governos federal, estadual e municipal presentes e a ressaltar a obra. "É tão importante que ela (a presidente) veio acompanhada de seis ministros de Estado, um fato inusitado".

Além de Negromonte, participaram do evento o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, das Relações Exteriores, Antonio Patriota, do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florense, e da Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros. Padilha, Pimentel e Patriota embarcaram com Dilma, ao meio-dia, para a viagem oficial da presidente para Cuba e Haiti.

Mais conteúdo sobre:
DilmaBA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.