Em reunião, Lula diz que participará de campanhas em 2008

Presidente cita falta de empenho dos ministros na negociação com o Congresso e compara reunião à Santa Ceia

23 de janeiro de 2008 | 15h29

O ministro das Relações Institucionais, José Múcio, fez um resumo da primeira reunião ministerial do ano e disse que o governo quer "troca de informações" dos ministros e o Congresso e que ele passará a centralizar os trabalhos. Ele disse que Lula cobrou mais empenho dos ministros e que o presidente participará das campanhas das eleições municipais deste ano. "O presidente participará em cidades em que nossa forças de coalizão estiverem unidas."  "O que está faltando é juntar informações, traçar resultante. Temos que estreitar as relações, aproveitar melhor o potencial de cada um (ministros) e transformar isso em coletivo. Nós capitalizamos pouco o potencial que cada ministro tem. É a troca de informações que queremos, muitas vezes achamos que o parlamentar não está sendo atendido em um ministério e está em outro", disse. Ao chegar para o encontro, na manhã desta quarta, o presidente cobrou um papel mais ativo dos ministros na interlocução com o Congresso Nacional. "Eu queria fazer uma reunião mais política. A gente se reúne uma vez por ano e depois as pessoas não falam mais em política. A gente fica numa reunião longa que mais parece uma Santa Ceia", disse Lula.  Múcio explicou que a comparação que o presidente fez com a Santa Ceia, quando reclamou da falta de empenho dos ministros nas negociações com o Congresso, foi apenas um "toque de humor" de Lula. "Qualquer reunião em volta de uma mesa pode ser comparada a uma Santa Ceia, e essas reuniões serão mais freqüentes", disse. Segundo Múcio, o processo de negociação para aprovar a emenda que prorrogava a CPMF, derrubada pelo Congresso no final do ano passado, foi considerada "pedagógica" pelo governo. O ministro relatou que o presidente gastou boa parte das suas intervenções durante o encontro para pedir que os ministros se esforcem nas negociações com o Congresso. "Temos de capitalizar melhor o potencial político de cada ministro", disse Múcio. "Mesmo os ministros mais técnicos vão ter que dar sua contribuição política."  Reforma Tributária  O ministro das Relações Institucionais disse também que a proposta da reforma tributária será enviada ao Congresso no meio de fevereiro, mas, antes, haverá uma reunião do Conselho Político por "precaução". "Nos reuniremos no dia 21 de fevereiro para apresentação da reforma , que será enviada ao Congresso Nacional", disse.   ( Com Leonencio Nossa)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.