Wilson Pedrosa/AE
Wilson Pedrosa/AE

Em reunião com senadores, Lula diz não haver provas concretas contra Palocci

Avaliação de petistas é de que é desnecessária a convocação do ministro da Casa Civil para explicar patrimônio

Eduardo Rodrigues, da Agência Estado

24 de maio de 2011 | 16h01

BRASÍLIA - Após reunião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e senadores do PT, o líder do partido no Senado, Humberto Costa (PE), afirmou que o PT considera desnecessária a convocação do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, para prestar esclarecimentos em público, uma vez que ele já irá fornecer essas informações à Procuradoria Geral da República (PGR). Segundo Costa, até o momento, não existe uma acusação "formal e frontal" que possa abalar a confiança do PT no ministro.

Veja também:

linkPrefeitura de SP vazou dados de Palocci, diz ministro

especialPara Álvaro Dias, ministro tenta desviar o foco do caso

"O ex-presidente Lula tem uma posição semelhante a nossa, de que até agora não há nada para questionar a lisura do ministro Palocci", disse Costa. O líder também negou a possibilidade de Palocci estar sendo alvo de fogo amigo. "Todas as nossas informações são de que não há fundamento (de essas denúncias) virem de gente de dentro do próprio PT. O governo do PT está em um bom momento, começamos a controlar a inflação e obviamente nossos opositores se preocupam e começam a criar fatos políticos", disse. "O ministro Palocci desempenha um papel chave no governo e tentar desestabilizá-lo é tentar desestabilizar o próprio governo", completou.

Costa considerou ainda que os pedidos de convocação para Palocci depor no Congresso são extemporâneos, uma vez que a PGR já irá ouvir o ministro e essas informações devem vir a público depois disso. "As explicações até o momento são satisfatórias e as novas informações dadas ao Ministério Público serão esclarecedoras".

De acordo com o senador Paulo Paim (PT-RS) a avaliação do partido sobre o caso é de que não há provas concretas das denúncias feitas. "Quem denuncia é que tem que mostrar as provas", disse , repetindo a orientação dada por Lula durante o encontro. O ex-presidente não falou com a imprensa após o almoço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.