Em reunião com ministro, líderes da base cobram negociação com Dilma

Senadores se encontraram com representantes do Executivo nesta manhã e pediram maior presença da presidente nas negociações sobre ajuste fiscal

Nivaldo Souza, O Estado de S. Paulo

24 Fevereiro 2015 | 14h38

Brasília - Ao reunir os líderes da base no Senado com cinco ministros em um café da manhã, organizado nesta terça-feira, 24, pela Secretaria de Relações Internacionais (SRI), comandada pelo isolado ministro Pepe Vargas, o governo apostou numa reaproximação com "pompa e circunstância" para abafar a rebelião dos aliados. A conversa amenizou, mas não aplacou os ânimos, de acordo com o relato de um dos líderes ao Broadcast Político.

Os líderes partidários cobraram que a presidente Dilma Rousseff entre no jogo e negocie diretamente com eles o ajuste fiscal, que depende da aprovação do Congresso. "A presidente precisa vir e explicar, negociar, o ajuste", disse.

O grupo reconheceu o gesto de reaproximação conduzido pelo Palácio do Planalto, do qual também participaram os ministros Miguel Rossetto (Secretaria-Geral da Presidência), Carlos Gabas (Previdência), Nelson Barbosa (Planejamento) e Manoel Dias (Trabalho).

Não houve constatação técnica das mudanças após o governo apresentar uma cartilha detalhada sobre cada mudança. Os líderes partidários, contudo, cobraram a presença de Dilma nas conversas.

Eles querem dividir com ela o ônus político das alterações propostas: novas regras de acesso do seguro-desemprego, abono salarial, pensão por morte, seguro-defeso e auxílio-doença. As lideranças parlamentares também criticaram a leitura do momento político do País pelo Planalto ao anunciar o ajuste. "Não houve muita divergência sobre a validade e a importância das medidas. Mas também não houve consenso sobre se este é o momento adequado para votar isso", afirmou o líder ouvido pelo Broadcast.

A avaliação dos líderes, manifestada ao corpo de ministros, foi a de que as mudanças têm peso social elevado e o governo errou ao propô-las em meio à crise na Petrobrás, deflagrada pela Operação Lava Jato, conduzida pela Polícia Federal.

Os parlamentares temem acirrar o descontentamento da população com o Congresso com medidas de arrocho fiscal enquanto deputados e senadores são implicados na Lava Jato. Há uma forte tensão com a expectativa de o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, apresentar ao Supremo Tribunal Federal a lista de políticos envolvidos no esquema de corrupção da Petrobrás - o que deve ocorrer em breve. 

Mais conteúdo sobre:
Dilma Rousseff Senado ajuste fiscal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.