Em reunião com Lula, PSB diz que Ciro é candidato à presidente

Partido argumenta que mudança de cenário, com múltiplas candidaturas, favorece Dilma; Lula discorda

Vera Rosa, de O Estado de S.Paulo,

13 de agosto de 2009 | 16h51

A cúpula do PSB informou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na noite de quarta-feira, 12, que o deputado Ciro Gomes (PSB-PE) é candidato à presidência da República, em 2010, e não ao governo paulista.

 

Em jantar com Lula no Palácio da Alvorada, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, afirmou que o lançamento de várias candidaturas da base aliada não é prejudicial ao projeto da coalizão governista. Na avaliação do PSB, esse cenário ajuda o Planalto, pois, com muitos concorrentes no páreo, a eleição fatalmente irá para segundo turno, impedindo a vitória da oposição na primeira rodada.

 

Lula, porém, não tem a mesma opinião. "Ele acredita que uma única candidatura da base de sustentação do governo é melhor, mas respeita o nosso diagnóstico", afirmou o governador de Pernambuco, que é presidente do PSB. "No nosso entendimento, múltiplas candidaturas da base aliada acumulam força para ganhar as eleições, mas, se ficar evidenciado que essa tática põe em risco o projeto governista, reavaliaremos nossa posição", disse.

 

Campos disse que, até 15 de setembro, o partido terá posição mais definida sobre o assunto, após rodadas de pesquisas e conversas políticas. Um grupo do PSB ainda defende o lançamento de Ciro ao governo paulista, hipótese que agrada a Lula, mas enfrenta resistências no PT.

 

Ciro participou do jantar de quarta, que também contou com a presença da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff - pré-candidata petista à sucessão de Lula - e de dirigentes do PT e do PSB.

 

Marina preocupa

 

A provável entrada da senadora Marina Silva (PT-AC) no páreo presidencial preocupa o Planalto. Ex-ministra do Meio Ambiente do governo Lula, Marina está de malas prontas para o PV.

 

Embora a possibilidade da candidatura de Marina dê mais argumento ao PSB para lançar Ciro, Campos insistiu em que os dois fatos caminham separadamente. "A candidatura de Ciro à Presidência não ocorre em função do lançamento de Marina", observou o presidente do PSB.

 

Para concorrer à cadeira do governador José Serra (PSDB), em 2010, Ciro precisa transferir o domicílio eleitoral do Ceará para São Paulo até outubro. A mudança, porém, não significa necessariamente que ele será candidato ao Palácio dos Bandeirantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.