Em primeira conversa, Lula e Obama falam sobre Rodada de Doha

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse, em conversa por telefone com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta segunda-feira, que pretende avançar nas negociações da rodada Doha, de liberalização do comércio internacional, como forma de combater os efeitos da crise financeira. A primeira conversa entre os dois presidentes após a posse de Obama neste mês foi iniciativa do norte-americano, teve início às 18h15 e durou cerca de 25 minutos, segundo informação do porta-voz da Presidência, Marcelo Baumbach. Teve o objetivo de iniciar os contatos entre os dois governos. "O presidente Obama declarou estar interessado em continuar as discussões no sentido de fazer avançar a rodada Doha, dada a importância do comércio mundial para o enfrentamento da atual crise econômica internacional", disse o porta-voz. Ficou acertado que Lula e Obama se encontrarão em Washington em meados de março, depois que o presidente brasileiro participar de um seminário com investidores estrangeiros em Nova York. Lula também convidou Obama a visitar o Brasil em abril, mas o presidente norte-americano informou que já teria compromissos e respondeu que a viagem poderia ser feita no verão do Hemisfério Norte (entre julho e setembro). "Ainda não tem nada definitivo", disse o porta-voz em referência à visita de Obama ao Brasil. Os dois presidentes também conversaram sobre os principais temas da agenda de interesse dos dois países. Lula elencou assuntos que considera prioritários, como a paz mundial, as relações dos dois países com a América Latina e a África, o G20 (grupo dos países desenvolvidos e em desenvolvimento, do qual o Brasil faz parte), as mudanças climáticas e os biocombustíveis. "O presidente Lula mencionou que considera que as boas relações entre Brasil e Estados Unidos têm muito a contribuir para um bom ambiente político para a América Latina", relatou o porta-voz. Já Obama disse que deseja trabalhar em coordenação com o presidente Lula para garantir "a paz e a estabilidade no continente" e para fortalecer as relações econômicas entre os dois países. O presidente norte-americano afirmou também que os EUA têm muito a se beneficiar da cooperação com o Brasil na área de biocombustíveis. Segundo a Presidência, o presidente Obama informou que já instruiu sua equipe econômica no sentido de coordenar-se com o Brasil para aproximar posições para a cúpula do G20, que se realiza em abril em Londres. Lula elogiou o trecho do discurso de posse de Obama que tratou da necessidade de cuidar dos mais pobres, e sublinhou que a vitória de Obama pode influenciar positivamente a imagem dos EUA na América Latina. O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, e a secretária de Estado, Hillary Clinton, devem conversar por telefone nesta noite para dar continuidade aos entendimentos. (Reportagem de Fernando Exman)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.