Em posse, novo ministro da Justiça diz que 'PF não pode ser a polícia de um governo'

José Eduardo Cardozo prometeu combate a corrupção, ao crime organizado e aliança com as secretarias estaduais de segurança pública

Agência Estado,

02 de janeiro de 2011 | 12h54

O novo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, assumiu o cargo neste domingo, 2, e prometeu combate a corrupção, ao crime organizado e aliança com as secretarias estaduais de segurança pública. "A Polícia Federal não pode ser a polícia de um governo, deve ser a polícia do Estado brasileiro", disse num discurso de 30 minutos.

 

A cerimônia de posse de Cardozo foi prestigiada por autoridades do judiciário, como os ministros do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres Britto e Ricardo Lewandowski, pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça, Ari Pargendler, o procurador-geral Roberto Gurgel, o deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) e por ministros do governo Dilma Rousseff.

 

No discurso, Cardozo fez uma longa homenagem ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e agradeceu Dilma por ter sido escolhido para o cargo ministro. O ministro fez uma homenagem especial a ex-prefeita de São e deputada Luiza Erundina (PSB), de quem Cardozo foi secretário na prefeitura. Erundina, presente à cerimônia, foi aplaudida de pé.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.