DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Em périplo no Senado, Aras tem discurso bem recebido e evita imprensa

Indicado para comandar PGR teve reuniões privadas com senadores e almoço com bancada do MDB

Breno Pires, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2019 | 19h59

BRASÍLIA – Nos gabinetes do Senado Federal, o indicado de Jair Bolsonaro para comandar a Procuradoria-Geral da República, Augusto Aras, apresentou um discurso que foi bem recebido até por senadores da oposição, incluindo críticas aos métodos da Lava Jato. Aras pregou uma "Lava Jato positiva", sem criminalizar a política. 

O périplo iniciado nesta segunda-feira, 9, pelo subprocurador já contou com reuniões privadas com senadores, almoço com a bancada do MDB e uma reunião com os líderes da Casa, na tarde desta terça, 10.

As visões e planos que Aras expressa são de um Ministério Público Federal "moderno e clássico", com unidade nos posicionamentos, que ajude o desenvolvimento do País, sem cor ideológica, e que analise bem os efeitos econômicos antes de agir. Segundo senadores, o subprocurador disse que o formato da Lava Jato pode ter levado a prejuízos, não só para reputações, mas também para a economia.

Escolhido por um presidente que espera de um PGR alinhamento ao governo e colaboração para impedir entraves na área ambiental, Aras tem se esforçado para não ficar com a imagem de que aceitará degradação do meio ambiente. Tem dito que é importante conferir proteção e segurança ambiental.

Aras foi questionado sobre os protestos de integrantes do MPF à sua indicação, por não ter participado da eleição interna da categoria, e também sobre as afirmações do presidente Jair Bolsonaro de que queria um PGR alinhado ao governo.

Em resposta, ele desqualificou as queixas referentes à politicagem e garantiu que agirá com "independência absoluta" em relação ao Executivo. "Se alguém pensa que vou dever gratidão, não vou. Vou fazer o trabalho que o MPF tem de fazer, um MPF moderno", disse Aras a líderes do Senado, nesta tarde. "Não vou aceitar imposição de quem quer que seja", acrescentou ele, segundo relato de um senador.

O indicado também foi questionado se não seria imoral continuar atuando como advogado, embora isso seja permitido pela Constituição Federal. Em resposta, disse que a atuação como advogado é normal para os procuradores indicados antes da Constituição Federal de 1988 e que, nas ações em que trabalhou, sempre agiu de acordo com o que a lei permitia. O senador que o questionou ficou satisfeito.

As conversas fazem parte do trabalho de convencimento para que seu nome seja aprovado na sabatina e na votação no Senado, que deve acontecer daqui a duas semanas. A data mais provável, no momento, é 25 de setembro, mas ainda não há confirmação.

Se uma das críticas do MPF é que falta clareza nos planos dele para a instituição, Augusto Aras optou por não responder às perguntas feitas pela imprensa reunida no Senado lhe fez após a reunião com os líderes. Disse que só falará na sabatina.

"Quero agradecer a todos vocês jornalistas pela cobertura da minha visita ao Senado. Quero comunicar a todos que as conversas tem sido muito proveitosas, mas neste momento estou com as minhas ideias e as minhas produções sendo observadas, decididas e apreciadas pelo Senado Federal. Aqui me encontro à espera da sabatina, e por estar sendo julgado pelo Senado Federal, respeitosamente não posso responder a perguntas como todos gostaríamos de responder, tendo em vista que somente ao Senado, na sabatina, caberão todas as respostas que os senhores pretendem. As perguntas que me fazem agora serão respondidas na sabatina. Não responderei aos senhores", disse.

Para o senador Telmário Mota (PROS-RR), os sinais de Aras ao Senado são positivos. "Espero que o MPF seja realmente um fiscal, puna os responsáveis, agora sem ação midiática, partidária, politizada e sem direcionar o trabalho", disse ao Estado.

Para o senador Otto Alencar (PSD-BA), Aras se colocou muito bem ressaltando que terá toda independência. O indicado à PGR ganhou pontos com o senador baiano pela visão sobre a Lava Jato.

"Ele disse que vai dar prestígio à Lava Jato Positiva, que levou muita gente para a cadeia, mas que a Lava Jato teve um ponto em que extrapolou o limite da lei e cometeu excessos, sem citar nomes. Eu, particularmente, estou seguro que ele não fará a mesma coisa que o Deltan Dallagnol fez", disse o senador.

Líder do partido do presidente, o senador Major Olímpio (PSL-SP) disse que a fala de Aras foi "simpática" à maioria dos líderes. "Mesmo àqueles que possam por convicção não votar nele, ele deu um ar de muita tranquilidade, equilíbrio, e apresentou uma visão do MPF que agradou a grande maioria dos líderes", disse.

O líder da bancada do PSDB, Roberto Rocha (MA), disse reconhecer em Aras um "progressista" e não vê dificuldade para a aprovação. "Tem uma cabeça muito voltada para o desenvolvimento, destravar a economia do brasil, ajudar nesse momento que estamos com agenda econômica muito intensa", disse. "Ele vai ter sem dúvida uma larga confiança do Senado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.