Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Em perfil, NYT chama Mangabeira de 'ministro das idéias'

Em entrevista ao jornal, o ministro diz que busca 'imaginar o impossível'

BBC Brasil,

02 de fevereiro de 2008 | 16h21

- Em um longo texto publicado neste sábado, o jornal americano New York Times traz um pefil do ministro Mangabeira Unger, a quem chama de o "ministro das idéias".
No texto, o repórter Alexi Barrionuevo relata a entrevista que teve com Unger em seu gabinete em Brasília e conta a história do político e professor da universidade de Harvard que sempre dividiu sua vida entre a academia e a paixão política.
Na entrevista, Mangabeira fala sobre suas visões para o País e os desafios do Brasil, afirmando que está em busca de "imaginar o impossível". Ele também diz acreditar que os brasileiros são ambivalentes em relação a idéia de o Brasil s tornar uma grande nação que poderia abrir "um caminho único na história do mundo".
Unger se define como "um homem sem charme em um país de sedutores", mas diz que tem como arma a persistência. "Eu nunca desisti", afirma.
Governo Lula
O texto trata de forma rápida a mudança de posição do político, que chegou a chamar o governo Lula do "mais corrupto na história do Brasil", mas que aceitou no ano passado chefiar a Secretaria de Ações de Longo Prazo.
Mangabeira se justifica dizendo que hoje acredita que o presidente é um homem de grande "magnanimidade e visão" e que parte das críticas que fez no passado foram "enganos" ou geradas pela "paixão política".
O professor afirma que Brasil enfrenta um grande desafio para conseguir se transformar e encontrar uma posição na economia mundial. Para ele, o Brasil não pode ser uma "China com menos gente".
O ministro comenta ainda que o futuro da economia do Brasil pode estar nas pequenas empresas e apoia a "expansão da classe média de baixo para cima e não o contrário".
Amazônia
Na entrevista, Mangabeira afirma que quer ajudar o governo a definir um plano de desenvolvimento econômico e ecológico para a Amazônia.
Segundo ele, a região amazônica não é apenas "um aglomerado de árvores, mas um aglomerado de 25 milhões de pessoas". O ministro diz que é necessário criar oportunidades econômicas reais para a população amazônica, caso constrário, "a atividade econômica desorganizada poderia gerar ainda mais desmatamento".
Posição política
Ao citar a trajetória política e pessoal de Mangabeira, o NYT afirma que o ministro está entre duas visões da política de esquerda - de um lado a "versão populista, autoritária e nacionalista, buscada por Hugo Chávez" - e, de outro, "a esquerda bem comportada" da Europa.
O jornal finaliza o perfil do ministro afirmando que, caso o novo cargo político não dê certo, Mangabeira sempre terá o "paraíso seguro da Harvard, onde já escreveu 16 livros em inglês e português".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.